Dentista de sucesso: 12 passos para ganhar a confiança de seus pacientes

Existem duas coisas que não podem faltar a um dentista de sucesso. O conhecimento técnico e o aspecto humano .
Saber se colocar no lugar do outro, atuar profissionalmente buscando levar em conta sempre o bem estar do paciente.
Ao invés de querer apenas ganhar mais um cliente, saber conquistar a confiança das pessoas .

Dentista de sucesso é aquele que combina profissionalismo e experiência aliada a um tratamento humano dos pacientes.

A importância da relação dentista e paciente

Sendo um profissional sociável, atendendo as pessoas com boa vontade e um sorrisso no rosto já é meio caminho andado.
As pessoas, em sua maioria, ainda sentem receio quando vão ao dentista. Muitas delas manifestam ansiedade e nervosismo.

Pacientes com medo nesse nível tendem a se sentir vulneráveis física e emocionalmente. Muitos acabam fugindo de tratamentos odontológicos ou a realização de simples exames de rotina.
E o pior, quando finalmente vão ao dentista, o problema já se encontra num estado muito adiantado . Às vezes até irreversível.

Dentista de sucesso: valoriza o aspecto humano

Os aspectos técnicos e econômicos de um consultório ou clínica odontológica são muito importantes.
Mas no final das contas o que mais importa são as pessoas.
Elas irão buscar o profissional que lhes dê a garantia de um bom atendimento. Mas que também saiba afugentar os seus medos e temores . O paciente procura e necessita de atenção e calor humano.

paciente quer saber ser ouvido, compreendido e acolhido . Isso irá prevalecer em sua decisão de voltar a procurar o profissional que lhe atendeu . O profissional passará a ser uma referência para o paciente. E quem se torna referência, abre caminho para se tornar um dentista de sucesso .

Protocolo de tratamento na perspetiva psicológica – 12 passos essenciais

  1. Tente evitar que o paciente falte à consulta. Atenda-o no horário previamente agendado, reduzindo o tempo de espera;
  2. Busque fazer com que seu paciente encare o atendimento da forma menos incômoda possível;
  3. Procure explicar o passo a passo do tratamento esclarecendo todas as dúvidas do paciente de forma clara e didática;
  4. Busque descobrir a causa do medo exagerado que o paciente manifesta. Ouça-o com atenção e em conjunto procure uma solução viável;
  5. Lembre-se que não só a comunicação verbal é importante. A comunicação não verbal é essencial. Seja assertivo, compreensivo e otimista;
  6. Nunca deixe o paciente sozinho – nem física nem psicologicamente.
  7. Informe o paciente sobre o andamento dos procedimentos que serão realizados. Quais materiais e instrumentos serão utilizados. Também se o paciente irá sentir algum tipo de desconforto. O fato do paciente saber o máximo possível do tratamento irá reduzir a sua ansiedade. E também irá aumentar a confiança que tem no dentista;
  8. Uma das melhores técnicas para tornar o ambiente mais descontraído é a distração. Tente falar sobre algum assunto que possa interessar ao paciente. Como por exemplo, a sua família ou o que gosta de fazer nas suas horas livres. Lance mão do bom humor e da graça sempre que possível. Isso irá certamente reduzir o nervosismo do paciente;
  9. A respiração é fundamental. Utilize técnicas de relaxamento e respiração para que o paciente fique mais relaxado. Mostre ao seu paciente como abrir a boca sem contrair os músculos. De vez em quando, faça uma pausa para que ele relaxe o pescoço, os ombros;
  10. Como seu paciente não poderá falar durante a intervenção, crie um acordo de comunicação.
    Por exemplo, diga-lhe que, se quiser parar ou necessitar de algo, levante a mão. Sabendo dessa possibilidade, o paciente irpa se sentir mais tranquilo;
  11. Faça com que o paciente tenha total confiança no seu dentista e que os objetivos serão alcançados;
  12. Técnica de afirmações positivas. Estimule seu paciente a repetir mentalmente frases de encorajamento que lhe deem ânimo.

Pacientes com ansiedade e estresse

odontofobia é uma das principais causas que afastam as pessoas do consultório odontológico. Ela se caracteriza por um medo intenso e excessivo de ir ao dentista.
É algo muito mais frequente do que se pensa! Isto porque, muitas vezes, as intervenções e os tratamentos odontológicos são diretamente relacionados com situações incômodas, desagradáveis e dolorosas.

O temor que existe na odontofobia é fóbico. Para que um medo seja caracterizado como tal, deve incluir os aspectos:

  • Irracional;
  • Excessivo;
  • Persistente;
  • Incontrolável;
  • Tentativa de evitar a situação temida.

Envolve também uma série de sintomas como:

  • Tensão muscular;
  • Aumento dos ritmos cardíacos e respiratórios;
  • Dilatação da pupila;
  • Aumento da sudorese, dores de cabeça e/ou de estômago.

Comunicação entre dentista e paciente

O medo pode ser muito reduzido, sempre que existir uma boa comunicação entre dentista e paciente.

Algumas dicas importantes:

  • Mantenha uma atitude profissional, de proximidade e amigável em todos os momentos.
  • Mostre a sua preocupação com o bem-estar do paciente. Pergunte ao paciente como ele(a) está, se necessita de alguma coisa ou se deseja parar por um momento.
    A sua atitude é fundamental para o tranquilizar.
  • Os medos do paciente não devem, em caso algum, ser subestimados. Faça seu paciente saber que são normais e que você está ali para o ajudar.
  • Informe o paciente sobre os passos que vai seguir, sobre o procedimento completo e explique tudo de uma forma que seja compreensível.
  • Algumas pessoas com fobia dentária podem ser tratadas com ansiolíticos. A maioria, no entanto, prefere evitar esse tipo de medicamento.

O seu consultório deve ter meios destinados a criar uma atmosfera agradável para alcançar um estado de paz e relaxamento. Sabia que a música ajuda a controlar a ansiedade?
Desenvolver um bom trabalho e ter preocupações com os aspectos humanos dos seus pacientes são características de todo dentista de sucesso.

Fonte: Dentaleader

Sugestões de leitura

Morsicatio buccarum

Morder a parte interna da boca: o que causa esse hábito?

Mordeduras na parte interna da boca podem causar lesões na mucosa.  É um comportamento repetitivo e compulsivo.  Pode resultar em sangramento, inflamação e...

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?