Menor uso de antibióticos não aumenta casos de endocardite

Menos uso de antibióticos não eleva casos de endocardite

A Suécia é um dos poucos países que retiraram a recomendação da adoção da antibioticoterapia profilática para pacientes com maior risco para o desenvolvimento de infecção das válvulas cardíacas, a chamada endocardite infecciosa.

Desde que essa recomendação foi removida em 2012, não houve aumento de casos de endocardite naquele paí, conforme dados de um estudo de registro do Karolinska Institutet publicado na revista Clinical Infectious Diseases.

Endocardite infecciosa

A endocardite infecciosa é uma doença rara, mas com risco de morte, causada por infecção bacteriana das válvulas cardíacas que afeta cerca de 500 pessoas por ano na Suécia. Indivíduos com cardiopatia congênita, válvulas cardíacas protéticas ou endocardite prévia apresentam maior risco de infecção.

Pessoas com maior risco de endocardite infecciosa na Suécia costumavam receber o antibiótico amoxicilina como profilático antes de certos procedimentos odontológicos, como extração de dentes, raspagem para remoção de tártaro e cirurgia.

Essa recomendação foi suspensa em 2012 devido à falta de evidências de que o tratamento era necessário e para ajudar a prevenir a resistência aos antibióticos, reduzindo o uso desses fármacos

Um projeto colaborativo envolvendo pesquisadores do Karolinska Institutet agora estudou como a decisão afetou a incidência de endocardite infecciosa.

O estudo como apoio à mudança na recomendação

“Só podemos ver pequenas variações estatisticamente não significativas na morbidade, nada que indique um aumento dessa infecção no grupo de risco desde 2012”, afirma o autor do estudo Niko Vähäsarja, dentista e doutorando no Departamento de Odontologia, Karolinska Institutet.

Nosso estudo, portanto, apoia a mudança na recomendação. Esta é uma questão debatida internacionalmente, Suécia e o Reino Unido são os únicos países da Europa a restringir o uso de antibióticos nesta condição.”

“O estudo de registro abrangeu 76.762 indivíduos de alto risco e 396.048 indivíduos de baixo risco de endocardite infecciosa, monitorados de 2008 a 2018 com a ajuda do Registro Médico de Nascimentos, do Registro Nacional de Pacientes e do Registro sueco de Endocardite

A recomendação foi complementada em 2016 com uma instrução para considerações sobre o tratamento antibiótico profilático prescritos pelos dentistas aos pacientes

Redução de prescrições de amoxicilina

Após a mudança na recomendação em 2012, as prescrições de amoxicilina em odontologia diminuíram em cerca de 40%. No entanto, o estudo não conseguiu demonstrar que esta diminuição tenha sido uma consequência da recomendação oficial e também porque a amoxicilina apresenta outras indicações no âmbito da odontologia.

“O próximo passo é examinar quais procedimentos odontológicos os indivíduos do grupo de risco foram submetidos durante o período de 2008 – 2018, já que essa é uma informação que nos falta e pode aumentar nosso conhecimento sobre o que é até hoje um problema pouco estudado”, diz o Sr. Vähäsarja.

“Este  estudo que acabamos de publicar podem sinalizar mudanças de recomendação semelhantes em outros países, resultando em uma redução no uso de antibióticos.”

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

Fontes: Infective endocarditis among high-risk individuals – before and after the cessation of antibiotic prophylaxis in dentistry: a national cohort studyMedical Dialogues 

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

câncer oral

Razões para o atraso do diagnóstico do câncer oral

O câncer oral e o atraso no diagnóstico é um problema a ser superado. O câncer de oral continua sendo diagnosticado em estágios...

Primeiro teste rápido de câncer oral do mundo

O qMIDS, o primeiro teste rápido de câncer oral do mundo, foi desenvolvido pela Queen Mary University of London e uma equipe internacional...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?