Primeiro teste rápido de câncer oral do mundo

O qMIDS, o primeiro teste rápido de câncer oral do mundo, foi desenvolvido pela Queen Mary University of London e uma equipe internacional de pesquisadores. Tem o potencial de melhorar a detecção precoce do câncer bucal.

Pesquisadores da Queen Mary University of London desenvolveram o primeiro teste PCR do mundo para câncer bucal.

O teste já foi comprovado em pacientes da China, Índia e o Reino Unido, com os resultados publicados na revista internacional Cancers. O inventor, Dr. Muy-Teck Teh, nomeou o teste como o Quantitative Malignant Index Diagnosis System (qMIDS). Quantitative Malignant Index Diagnosis System (qMIDS).

O teste é rápido e fácil. Ele só precisa da máquina de PCR usada nos testes COVID e de um técnico para operá-lo.

Poderia ser rapidamente lançado em todo o mundo com um custo extra muito pequeno.

Uma pequena amostra (do tamanho de meio grão de arroz) é retirada da área suspeita na boca do paciente. O teste leva apenas 90 minutos para ser concluído — semelhante a um teste COVID PCR.

Sinais precoces

São diagnosticados 8.300 casos de câncer bucal no Reino Unido a cada ano. Sete em cada dez desses casos de câncer começam com manchas brancas ou vermelhas na boca. Estas são denominadas lesões pré-malignas, mas apenas 1 em cada 10 delas se transformará em câncer.

Até agora, não havia uma maneira de identificar com clareza as lesões que provavelmente se transformariam em câncer. Existe um sistema de classificação que os patologistas orais consultores altamente qualificados usam para avaliar as amostras de tecido através de um exame microscópico.

No entanto, esse sistema de classificação nem sempre prediz ou captura com precisão as lesões que se tornarão ou se tornaram cancerígenas. Isso acontece porque as mudanças iniciais — de pré-malignas a cancerosas — estão se processam ao nível genético e químico, que não podem ser detectadas visualmente por um microscópio.

A importância da detecção precoce

As pré-malignidades geralmente ocorrem em um único local, mas também podem afetar toda a boca. Isso pode dificultar para um profissional de saúde decidir realizar a coleta das amostras. Nesses casos, o profissional pode precisar fazer várias biópsias. Mesmo assim, elas podem não capturar a área que se tornará cancerosa.

Sem saber definitivamente se uma lesão é cancerosa, os pacientes com pré-malignidade devem ser examinados ​​regularmente por um longo tempo, gerando ansiedade e transtornos para o paciente, além de custos extras.

Por outro lado, se um caso “leve” evolui para câncer, o paciente pode já ter recebido alta hospitalar, então muitas vezes atrasa a procura de tratamento porque não acredita que tem câncer. Como resultado desse atraso, o tratamento se torna mais agressivo, caro e com menor probabilidade de sucesso.

Precisão diagnóstica

A precisão diagnóstica do teste qMIDS possibilitaria a alta de 90% dos pacientes de baixo risco que poderiam fazer o acompanhamento ambulatoria através do seu dentista ou médico.

Podem também ser testados no consultório do dentista e encaminhados apenas para a atenção secundária se forem de alto risco. Casos de alto risco também poderiam ser detectados no período pré-câncer e tratados definitivamente, salvando a vida do paciente através de pequenas cirurgias, melhores taxas de cura e qualidade de vida, além de uma enorme redução nos custos dos serviços de saúde.

O processo do teste é amplamente automatizado, eliminando a necessidade de exames de patologia caros. Também não há necessidade de biópsias invasivas. Os testes podem ser realizados em vários locais quando os pacientes apresentam lesões que afetam grandes áreas em toda a boca.

Salvando vidas

O co-líder do estudo, Professor Iain Hutchison, declarou: “O qMIDS melhora drasticamente nosso gerenciamento de câncer de boca e seu estado pré-canceroso, salvando vidas e custos de saúde. Cirurgiões-dentistas em qualquer lugar do mundo poderão usar este teste para amostras de tecido minimamente invasivas, porque o necessário é uma máquina de PCR e do técnico que a opera.”

O qMIDS nos ajudará a identificar pacientes com pré-malignidades que nunca se transformarão em câncer, para poderem ser tranquilizados e receber alta da revisão hospitalar. Pacientes com pré-malignidade de alto risco podem fazer pequenas cirurgias para remover a lesão antes dela se transformar em câncer, curando o paciente e poupando-o de uma cirurgia de grande porte, o que, também reduz os custos dos serviços de saúde. 

É uma ferramenta poderosa, especialmente quando usada em conjunto com a avaliação histopatológica convencional.”

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

Fontes: Molecular Signatures of Tumour and Its Microenvironment for Precise Quantitative Diagnosis of Oral Squamous Cell Carcinoma: An International Multi-Cohort Diagnostic Validation Study, Quantitative Malignant Index Diagnosis System (qMIDS) 

 

Sugestões de leitura

Nova estratégia para prevenção e tratamento da cárie dentária

Uma das infecções mais comuns relacionadas ao biofilme é a cárie dentária, que afeta uma população de mais de 60% das crianças e...

câncer oral

Razões para o atraso do diagnóstico do câncer oral

O câncer oral e o atraso no diagnóstico é um problema a ser superado. O câncer de oral continua sendo diagnosticado em estágios...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

penicilinas, implante dental, risco de falha, antibióticos alternativos

Alergia à penicilina e os riscos de falhas em implantes dentários

A imensa maioria dos procedimentos de implantes dentários são bem-sucedidos. Porém, infecções relacionadas podem aumentar o risco de falhas. Os antibióticos podem manter...

Nanobots no tratamento de canal

Uma equipe do Instituto Indiano de Ciências  descobriu que os nanobots — robôs nanométricos controlados magneticamente — podem ser utilizados para passar pelos túbulos dentinários e...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?