A ligação entre halitose e a COVID-19

O pesquisador Dr Abanoub Riad do Centro Nacional Tcheco para Saúde Baseada em Evidências e Tradução do Conhecimento (CEBHC-KT) trouxe à comunidade científica dados importantes relacionados a uma inusitada ligação entre a halitose e a evolução da COVID-19 em pacientes.

Ele e sua equipe estava ciente do fato de que a cavidade oral pode fornecer um ‘habitat’ sustentável para o SARS-COV-2, vírus da COVID-19, desde março de 2020.

Xerostomia e ageusia

Pesquisas de cientistas chineses conduzidas em fevereiro já mostraram que a xerostomia (boca seca) e ageusia (perda das funções gustativas da língua) estão entre os sintomas inesperados, mas prevalentes da COVID-19.

Halitose e Covid-19

Entre maio e agosto de 2020, um total de 18 pacientes procuraram atendimento por conta de “um mau odor oral que precipitou um sofrimento psicossocial notável”.

A intensidade da halitose foi medida objetivamente com um instrumento amplamente utilizado para análise e tratamento da halitose crônica.

Este dispositivo conta a quantidade de compostos de enxofre voláteis em partes por bilhão. “Avaliamos a intensidade da halitose duas vezes: na consulta inicial e após um mês. Nossa análise estatística revelou que houve uma diminuição significativa na intensidade da halitose com o passar do tempo na grande maioria dos pacientes”, afirmou Riad.

Ou seja, os pacientes no início da infecção por COVID-19 apresentavam forte halitose. Ao longo dos dias e evolução do quadro para a cura essa halitose ia gradativamente diminuindo.

Alterações epiteliais da língua

Essas descobertas são relevantes para pesquisas futuras, disse Riad.“Nossos resultados apoiam a hipótese de que o SARS-COV-2 pode desencadear alterações epiteliais do dorso da língua devido à alta expressão da enzima conversora de angiotensina 2.”

Essa hipótese pode explicar porque o fluxo salivar é perturbado em pacientes com COVID-19, especialmente nos que referiram xerostomia.

Embora não tenhamos certeza do porquê a halitose surgiu e diminuiu concomitantemente com o curso da COVID-19, este fenômeno interessante apoia a relação causal entre halitose e COVID-19.

“Não podíamos descartar o papel dos medicamentos, especialmente o dos antibióticos desnecessariamente prescritos ou consumidos, e o impacto psicológico da pandemia de COVID-19 no comportamento relacionado à saúde, incluindo a higiene oral.

Embora as políticas universais de uso de máscara sejam prioridades de sobrevivência, elas podem levar indiretamente a um novo aparecimento de halitose. ”

Como o grupo de amostra de pacientes era bastante pequeno, Riad acrescentou:

“Eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para convocar todos os pesquisadores e dentistas em todo o mundo para unir forças e alocar recursos para realizar estudos epidemiológicos maiores para as manifestações orais de COVID-19, especialmente sintomas mucocutâneos. ”

O estudo, intitulado “Halitose em pacientes (COVID-19) ”, foi publicado em 29 novembro 2020 na Special Care in Dentistry.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Face @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fontes: Wiley Online LibraryDental Tribune InternationalEurope PMC

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?