A saúde da boca é decisiva para a saúde do corpo

Victor Hugo Cardoso • mai 03, 2021

Sabemos que o que acontece na boca não fica restrito a ela.
A conexão da cavidade oral com o resto do corpo vai muito além da mastigação, deglutição e digestão. 
O microbioma oral humano saudável não depende apenas da manutenção de dentes limpos e gengivas firmes, mas também das bactérias que nele habitam.
Bactérias energeticamente eficientes que vivem em um ambiente rico em vasos sanguíneos que permite a comunicação constante dos organismos com células e proteínas do sistema imunológico.

Saúde da boca e saúde do corpo — conectados

Um grande e crescente número de evidências demonstram que esse sistema, aparentemente separado do resto de nossos corpos é altamente influente e influenciado por nossa saúde geral.

É o que afirmou Purnima Kumar, professora de periodontologia da The Ohio State University, em uma conferência de ciências recentemente.

Doenças gengivais e o diabetes tipo 2

O diabetes tipo 2 é conhecido por aumentar o risco de doenças gengivais. Estudos recentes mostram que o diabetes afeta a flora bacteriana da boca. Esse fato ajuda a explicar como o tratamento da periodontite, que altera as bactérias orais, também reduz a gravidade do próprio diabetes.

Também foram encontradas conexões entre micróbios orais e artrite reumatoidehabilidades cognitivas, resultados da gravidez e doenças cardíacas, apoiando a noção de que uma boca doente pode ter uma relação direta com um corpo doentio.“O que acontece em seu corpo afeta sua boca e isso acaba repercutindo sobre o organismo. É realmente um ciclo de vida”, disse Kumar.

Qual é a porta de entrada para o seu corpo? A boca

A boca é a parte mais voltada para a frente do seu corpo que age como uma interface de comunicação com o ambiente e está conectada a todo esse sistema de tubos, “afirmou a pesquisadora. ”. No entanto, ainda assim, a boca ainda é muito pouco estudada.

Conexão entre o microbioma oral e as doenças sistêmicas

Em fevereiro passado a pesquisadora Kumar organizou uma sessão na reunião da American Association for de Advancement of Science (AAAS) intitulada “Sorriso assassino: a ligação entre o microbioma oral e as doenças sistêmicas”.

O microbioma oral se refere à coleção de bactérias — algumas úteis para os humanos e outras não — que vivem dentro de nossas bocas.

Kumar liderou e colaborou em pesquisas recentes que explicam ainda mais a ligação entre saúde bucal e diabetes tipo 2, que foi descrita pela primeira vez na década de 1990. Ela foi a autora principal de um estudo de 2020 que comparou os microbiomas orais de pessoas com e sem diabetes tipo 2 e como eles responderam ao tratamento não cirúrgico da periodontite crônica.

A equipe descobriu que a periodontite possibilita que as bactérias — em vez do hospedeiro humano — assumam as rédeas na determinação da composição de micróbios e moléculas inflamatórias na boca. O tratamento da doença gengival levou à eventual restauração de uma relação normal de hospedeiro-microbioma.

No entanto, igual processo levou mais tempo em pessoas com diabetes.“Nossos estudos levaram à conclusão de que as pessoas com diabetes têm um microbioma diferente dos indivíduos não diabéticos”, disse Kumar.

“Sabemos que alterar a flora bacteriana em sua boca e restaurá-las ao que seu corpo conhece como bactérias saudáveis e amigáveis de fato melhora seu controle glicêmico.”

Embora ainda haja muito a aprender, os fundamentos dessa relação entre o microbioma oral e as doenças sistêmicas tornaram-se cada vez mais evidentes.

Boca transformada em fossa séptica

As bactérias orais usam oxigênio para respirar e quebrar moléculas simples de carboidratos e proteínas para se manterem vivas. Algo tão simples como não escovar os dentes por alguns dias pode desencadear uma cascata de mudanças, sufocando o suprimento de oxigênio e fazendo com que os micróbios passem a um estado fermentativo.

“Isso cria uma fossa séptica, que produz subprodutos e toxinas que estimulam o sistema imunológico”, disse Kumar. Segue-se uma resposta inflamatória aguda, que produz proteínas sinalizadoras que as bactérias veem como alimento.

Então, essa comunidade, um ecossistema, muda. Os organismos que podem quebrar as proteínas começam a crescer mais, e os organismos que podem respirar em um ambiente sem oxigênio crescem. O perfil bacteriano e, mais importante, a função do sistema imunológico muda.

A inflamação abre poros entre as células que revestem a boca e os vasos sanguíneos vazam, permitindo que bactérias que se tornaram prejudiciais à saúde entrem na circulação a alcancem o corpo todo.

“O corpo está produzindo inflamação em resposta a essas bactérias, e esses produtos inflamatórios também estão se movendo para a corrente sanguínea, algo duplamente danoso ao organismo. Na busca de uma autoproteção o corpo acaba e se voltando contra si mesmo”, disse Kumar. “Esses patógenos então acabam cruzando fronteiras que nunca deveriam cruzar.”

Ligações entre o microbioma bucal e doenças do corpo

Os mecanismos exatos das ligações entre o microbioma bucal e doenças específicas são complexos e ainda estão sendo investigados. O segredo para uma boca saudável não é segredo algum: a prevenção de doenças bucais é tão simples quanto escovar e passar fio dental, e visitar o dentista ao menos duas vezes por ano para uma limpeza profissional, afirmou a pesquisadora.
As políticas de saúde precisam enfatizar a importância da saúde bucal e tê-la como fundamental o bem-estar do organismo em seu todo.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fontes: Journal of Dental ResearchAmerican Dental Association

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?