Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    A saúde do cérebro e as bactérias intestinais

    Os estágios muito iniciais da doença de Alzheimer (DA) podem ser difíceis de detectar. As mudanças no cérebro podem começar uma década ou mais antes que qualquer problema de memória ou pensamento ocorra. Quando os primeiros sintomas aparecem, podem parecer esquecimentos normais. A saúde do cérebro e as bactérias intestinais é o tema de nosso post de hoje.

    Pesquisas recentes sobre o microbioma intestinal sugerem uma nova maneira de diagnosticar a doença de Alzheimer precocemente, quando o tratamento pode ser mais eficaz.

    O estudo, publicado em junho de 2023 na Science Translational Medicine, observou que indivíduos na fase inicial da doença, sem sinais exteriores de declínio, apresentam uma composição diferente de bactérias em seus intestinos do que as pessoas saudáveis.

    Estudos anteriores mostraram que os microbiomas intestinais de pessoas com doença de Alzheimer clínica [quando o comprometimento da memória e da cognição é aparente] são diferentes daqueles de pessoas cognitivamente saudáveis“, diz o estudo principal, a autora Aurora Ferreiro, PhD, pesquisadora associada de pós-doutorado na Escola de Medicina da Universidade de Washington em St. Louis.

    A utilidade potencial do microbioma como meio de triagem precoce para o risco pré-clínico de Doença de Alzheimer é apoiada por esses resultados.”

    Mais evidências da conexão intestino-cérebro

    Para esta análise, 164 participantes cognitivamente normais com idades entre 68 e 94 anos foram rastreados por tomografia, ressonância cerebral e análise do líquido cefalorraquidiano.

    Os pesquisadores procuravam por aglomerados das proteínas beta-amiloide e tau, que são consideradas ser as características distintivas da doença de Alzheimer, mesmo em estágios pré-clínicos.

    Quase um terço (49) apresentavam sinais de início da doença de Alzheimer.

    Observando as amostras de fezes, os pesquisadores descobriram que, embora todos os indivíduos estivessem seguindo basicamente a mesma dieta (de acordo com suas respostas a questionários alimentares), aqueles com acúmulo de beta-amiloide e tau tinham bactérias intestinais marcadamente diferentes de seus contrapartes “saudáveis”.

    A Dra. Ferreiro observa que sua equipe identificou sete espécies de bactérias que “melhoraram significativamente nossa capacidade de prever se um indivíduo apresentava doença de Alzheimer pré-clínica ou não”.

    A pesquisadora enfatiza que a equipe de pesquisa não afirma que bactérias específicas aumentam o risco de Alzheimer. As descobertas apontam apenas para uma conexão entre a composição do microbioma intestinal e a doença de Alzheimer.

    Testes para determinar o risco para a demência

    Se os resultados forem validados por um estudo mais aprofundado, Ferreiro vê um potencial para o uso de testes de microbioma intestinal para determinar o risco de uma pessoa desenvolver demência.

    Uma pessoa sinalizada [para demência] com base nos resultados do teste intestinal pode ser encaminhada para triagem de acompanhamento para biomarcadores de Doença de Alzheimer estabelecidos [como tau e aglomerados de beta amiloide]”, afirma a pesquisadora.

    Christopher Damman, MD, professor clínico associado de medicina na divisão de gastroenterologia da Universidade de Washington, afirma que “Testes usando LCR [líquido cefalorraquidiano] e imagens são bons, mas se você puder melhorá-los, poderá identificar com mais precisão as pessoas com probabilidade de desenvolver Alzheimer”. “Portanto, este é um passo na direção certa.”

    Conforme a Alzheimer’s Association, o diagnóstico precoce oferece uma melhor chance de um paciente se beneficiar de tratamentos mais cedo, incluindo medicamentos e mudanças no estilo de vida, como controle da pressão arterial, parar de fumar, se exercitar mais e permanecer mental e socialmente ativo.

    “Uma vez que a Doença de Alzheimer seja sintomática, geralmente há neurodegeneração envolvida, e é difícil retroceder”, afirma a pesquisadora.

    Um coautor do estudo, Beau Ances, MD, PhD, professor de neurologia na Escola de Medicina da Universidade de Washington, prevê no futuro as pessoas fornecendo uma amostra de fezes e assim descobrir se apresentam ou não risco aumentado para a doença de Alzheimer.

    Seria muito mais fácil, menos invasivo e mais acessível para uma grande proporção da população, especialmente grupos sub-representados, em comparação com varreduras cerebrais ou punções lombares”, afirmou o Dr. Ances em um comunicado à imprensa.

    Alterações da flora intestinal podem evitar a doença de Alzheimer?

    Neste ponto, é impossível dizer se as alterações microbianas no intestino são resultantes da doença de Alzheimer ou se essas alterações podem estar influenciando a própria doença.

    Como os participantes desta investigação estavam basicamente mantendo a mesma dieta alimentar, nenhuma conclusão pode ser feita sobre se a dieta pode impactar o risco de demência ou não.

    Até o momento, não há evidências de que comer ou evitar um alimento específico possa prevenir a doença de Alzheimer, ou o declínio cognitivo relacionado à idade, conforme o Instituto Nacional do Envelhecimento.

    Mas a organização afirma que o que comemos pode afetar a capacidade de pensar e lembrar do cérebro envelhecido. A Alzheimer’s Society indica que uma dieta rica em frutas, vegetais e cereais e pobre em carne vermelha e açúcar ajuda a reduzir os riscos de demência.

    Pode-se especular que, se você puder identificar uma dieta que colabore positivamente para esses marcadores do microbioma, isso pode ser benéfico, porém está muito além do que o estudo nos apresenta”, diz Damman.

    No que diz respeito a pesquisas futuras, os autores do estudo deram início a uma investigação de acompanhamento de cinco anos, projetada para descobrir se as diferenças no microbioma intestinal são a causa ou o resultado das alterações cerebrais observadas no início da doença de Alzheimer.

    Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

    Fontes: Gut microbiome composition may be an indicator of preclinical Alzheimer’s disease, Gut Bacteria May Reveal Alzheimer’s Even Before Symptoms Appear

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Diabetes e doença gengival – a conexão

      Estudos recentes reforçam a constatação de que diabetes e doença periodontal, como periodontite, estão diretamente ligados.

      Fio ou fita dental: qual é a melhor para sua higiene dental?

      Fio ou fita dental são essenciais à rotina diária de limpeza dos dentes. Mas afinal, qual devo escolher? Qual é melhor para você?

      Remédios para asma podem em maior ou menor grau trazerem problemas à sua saúde bucal. Saiba o que fazer e como evitar que isso aconteça.

      Remédios para asma podem fazer mal à saúde bucal?

      Remédios para asma podem em maior ou menor grau trazerem problemas à sua saúde bucal. Saiba o que fazer e como evitar que...

      As impressoras 3D estão revolucionando a odontologia. Conheça suas aplicações e os benefícios para dentistas e pacientes.

      Impressoras 3D na odontologia: uma revolução em curso

      As impressoras 3D estão revolucionando a odontologia. Conheça suas aplicações e os benefícios para dentistas e pacientes.

      Aprenda sobre a importância da saúde das gengivas e conheça dicas essenciais para mantê-las saudáveis ao longo da vida.

      Saúde das Gengivas: cuidados essenciais

      Aprenda sobre a importância da saúde das gengivas e conheça dicas essenciais para mantê-las saudáveis ao longo da vida.

      Derrame e saúde bucal: conheça a ligação

      Derrame e saúde bucal estão diretamente relacionados, é o que nos revela um estudo científico recente. Cuidar da saúde bucal é imprescindível.