Conheça como o Dentalis pode ajudar o seu consultório

Antidepressivos ampliam resistência das bactérias aos antibióticos

Antidepressivos aumentam resistência das bactérias aos antibióticos. Até recentemente os cientistas consideravam o uso excessivo e prolongado de antibióticos como único fator determinante para o aumento da resistência bacteriana aos antimicrobianos.

Um estudo recente, no entanto, revelou que antidepressivos podem contribuir para a resistência das bactérias aos antibióticos.

O surgimento de bactérias causadoras de doenças que são resistentes a antibióticos é frequentemente atribuído ao uso excessivo de antibióticos em pessoas e animais. Mas os pesquisadores se concentraram em outro potencial condutor de resistência: os antidepressivos.

Ao estudar bactérias cultivadas em laboratório, uma equipe agora rastreou como os antidepressivos podem desencadear resistência aos antimicrobianos.

“Mesmo após alguns dias de exposição, as bactérias desenvolvem resistência a antibióticos, não apenas contra um, mas vários antibióticos”, diz o autor sênior Jianhua Guo, que trabalha no Centro Australiano de Biotecnologia Aquática e Ambiental da Universidade de Queensland, em Brisbane. Isso é interessante e assustador, diz ele.

Globalmente, a resistência a antibióticos é uma ameaça significativa à saúde pública. Estima-se que 1,2 milhão de pessoas morreram como resultado direto disso em 2019, e esse número deve aumentar.

Primeiras pistas

O pesquisador Jianhua Guo se interessou pelas possíveis contribuições de medicamentos não antibióticos para a resistência a antibióticos em 2014, depois que o trabalho no seu laboratório encontrou mais genes de resistência a antibióticos circulando em amostras de águas residuais domésticas do que em amostras de águas residuais de hospitais, onde o uso de antibióticos é maior.

Eles provocam “uma resposta tipo SOS”, explica Guo, desencadeando mecanismos de defesa celular que, por sua vez, tornam as bactérias mais capazes de sobreviver ao tratamento antibiótico subsequente.

Em um artigo de 2018, o grupo relatou que a Escherichia coli tornou-se resistente a vários antibióticos após ser exposta à fluoxetina, comumente vendida como Prozac. O estudo mais recente examinou 5 outros antidepressivos e 13 antibióticos de 6 classes dessas drogas e investigou como a resistência em E. coli se desenvolveu.

Como os antidepressivos interagem com as bactérias

Em bactérias cultivadas em condições de laboratório bem oxigenadas, os antidepressivos fizeram com que as células gerassem espécies reativas de oxigênio: moléculas tóxicas que ativaram os mecanismos de defesa do micróbio. Isso ativou os sistemas de bomba de efluxo das bactérias, um sistema de expulsão geral que muitas bactérias usam para eliminar várias moléculas, incluindo antibióticos. Isso provavelmente explica como a bactéria poderia resistir aos antibióticos sem contar com genes de resistência específicos.

Mas a exposição de E. coli a antidepressivos também levou a um aumento na taxa de mutação do micróbio e à subsequente seleção de vários genes de resistência. No entanto, em bactérias cultivadas em condições anaeróbias, os níveis de espécies reativas de oxigênio foram muito mais baixos e a resistência a antibióticos se desenvolveu muito mais lentamente.

Além disso, pelo menos um antidepressivo, a sertralina, promoveu a transferência de genes entre as células bacterianas, um processo que pode acelerar a disseminação da resistência em uma população. Essa transferência pode ocorrer entre diferentes tipos de bactéria, permitindo que a resistência salte entre as espécies – incluindo de bactérias inofensivas a patogênicas.

Resistência a antibióticos

Kiran Patil, que estuda interações microbioma-químicas na Universidade de Cambridge, Reino Unido, afirma que nos últimos cinco anos tem se observado que muitos medicamentos não antibióticos que visam células humanas também podem afetar bactérias e contribuir para a resistência a antibióticos.

Lisa Maier, que trabalha na Universidade de Tübingen, na Alemanha, e estuda interações entre medicamentos e o microbioma, diz que, para entender como os antidepressivos podem levar à resistência a antibióticos, os pesquisadores precisam determinar quais moléculas os medicamentos visam nas bactérias e avaliar os efeitos dos medicamentos em uma ampla variedade de espécies bacterianas clinicamente relevantes. Em 2018, Maier e seus colegas pesquisaram 835 medicamentos que não visavam micróbios e descobriram que 24% inibiam o crescimento de pelo menos uma cepa de bactérias intestinais humanas.

Patil e Maier dizem ser importante reunir evidências para avaliar o impacto real dos antidepressivos na resistência, por exemplo, se os antidepressivos estão impulsionando o acúmulo de bactérias resistentes a antibióticos, principalmente as causadoras de doenças, em pessoas, animais ou no meio ambiente.

Embora quantidades significativas de antidepressivos tenham sido encontradas em águas residuais, os níveis relatados tendem a cair abaixo das concentrações nas quais o grupo de Guo observou efeitos significativos em E. coli. Mas as concentrações de alguns dos antidepressivos que tiveram efeitos fortes neste estudo devem ser alcançadas no intestino grosso das pessoas que tomam os fármacos.

Resumindo

Os antidepressivos são uma classe de medicamentos comumente usados para tratar a depressão e os transtornos de ansiedade.

Há indícios de que os antidepressivos podem ajudar as bactérias a resistir aos antibióticos, interferindo nos mecanismos que os antibacterianos usam para matar as bactérias.

Por exemplo, alguns antidepressivos podem ter como alvo as mesmas vias celulares que os antibióticos usam para atacar as bactérias, dificultando assim a eficácia dos antibióticos.

Outra teoria é que os antidepressivos podem alterar o ambiente em que as bactérias vivem, tornando mais difícil para os antibióticos alcançar e matar as bactérias. Por exemplo, alguns antidepressivos podem alterar o pH ou os níveis de nutrientes no ambiente circundante, o que pode dificultar a penetração dos antibióticos na parede celular bacteriana e atingir seu alvo.

É importante observar que essas teorias ainda estão sendo investigadas e mais pesquisas são necessárias para entender completamente como os antidepressivos podem afetar a resistência bacteriana aos antibióticos.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

Fontes: Antidepressants can induce mutation and enhance persistence toward multiple antibiotics, Global burden of bacterial antimicrobial resistance in 2019: a systematic analysis, Antidepressant fluoxetine induces multiple antibiotics resistance in Escherichia coli via ROS-mediated mutagenesis, Extensive impact of non-antibiotic drugs on human gut bacteria, How antidepressants help bacteria resist antibiotics

Conheça como o Dentalis pode ajudar o seu consultório

Sugestões de leitura

Câncer de cabeça e pescoço: detecção por teste de urina

Novo e revolucionário teste de urina que possibilita a detecção precoce de fragmentos de DNA característicos de células cancerígenas

As impressoras 3D estão revolucionando a odontologia. Conheça suas aplicações e os benefícios para dentistas e pacientes.

Impressoras 3D na odontologia: uma revolução em curso

As impressoras 3D estão revolucionando a odontologia. Conheça suas aplicações e os benefícios para dentistas e pacientes.

Cientistas desenvolvem um novo teste para detecção precoce do câncer oral que não requer o uso de biópsias.

Detecção do câncer oral – novo método

Hoje quero compartilhar com vocês uma descoberta incrível na área da odontologia.Vocês sabiam que o câncer oral representa cerca de 90% dos casos...

Conheça dicas de como motivar e incentivar os colaboradores da sua clínica odontológica por práticas simples no dia a dia

Como motivar os colaboradores da sua clínica odontológica

Conheça dicas de como motivar e incentivar os colaboradores da sua clínica odontológica por práticas simples no dia a dia

Câncer bucal: novo teste para detecção

Novo teste que possibilita a detecção precoce do câncer bucal sem a necessidade de procedimentos invasivos. Conheça essa ótima novidade!

Solução de Fluoreto de Diamina: Redução de até 80% das Cáries em Crianças

Novo estudo descobriu que uma solução barata usada para tratar dentes sensíveis pode ser tão eficaz quanto os selantes dentários na prevenção da...