Evitar doença periodontal pode ser garantia de maior expectativa de vida

Um novo estudo sugeriu que a mortalidade global da população em geral e em especial as mulheres mais velhas poderia ser reduzida com a melhoria de saúde periodontal. Avaliando os dados sobre mais de 57.000 mulheres na pós-menopausa, pesquisadores da Universidade de Buffalo verificou que a presença de periodontite e perda de dente está associada a um risco significativamente maior de morte.

As mulheres no estudo tinham idade entre 55 e 89 anos, não tinham eventos de doença cardiovascular conhecida e foram originalmente inscritas no estudo observacional Women’s Health Initiative. No estudo da população, a prevalência de periodontite e edentação foi de 26% e 5,9%, respectivamente.

Durante um período de seguimento médio de 6,7 anos, os pesquisadores registraram 3.589 eventos de doença cardiovascular e 3.816 mortes. Eles também descobriram que a história de doença periodontal foi associada com 12% maior risco de morte e a perda de todos os dentes naturais foi associada com um risco maior de 17%.

Em mulheres que visitaram o dentista menos de uma vez ao ano, a edentação foi mais fortemente associada com eventos de doença cardiovascular em comparação com aquelas com mais visitas ao dentista por ano.

Doença periodontal – melhor remédio é a prevenção

“Nossos achados sugerem que as mulheres mais velhas podem estar em maior risco de morte por causa de sua condição periodontal e podem se beneficiar de medidas de rastreio oral mais intensiva”, disse o doutor Michael J. LaMonte, autor líder e professor pesquisador associado do Department of Epidemiology and Environmental Health da universidade. “No entanto, estudos de intervenções destinadas a melhorar a saúde periodontal são necessários para determinar se o risco de morte é reduzido entre aquelas que receberam a intervenção em comparação com aquelas que não o fazem. Nosso estudo não foi capaz de estabelecer uma relação direta de causa e efeito”.

De acordo com os Centers for Disease Control and Prevention, quase 50 por cento dos adultos nos Estados Unidos com 30 anos ou mais têm alguma forma de doença periodontal. É estimado que cerca de vinte por cento dos adultos com idade igual ou superior a 65 no país sejam edentados.

O estudo intitulado “História do diagnóstico da periodontite e edentação como preditores de doença cardiovascular, AVC e mortalidade em mulheres na pós-menopausa,” foi publicado na edição de abril do Journal of the American Heart Association.

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?