Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Identificados os genes associados à doença periodontal

    Pesquisadores do Centro Médico da Universidade Columbia identificaram 41 genes regulatórios que podem ser os desencadeadores da doença periodontal. O estudo é o primeiro do gênero que emprega a engenharia reversa do genoma para identificar traços dos genes que contribuem com a periodontite. A identificação dos genes representa uma etapa vital no desenvolvimento de compósitos que podem vir a ser utilizados no tratamento, objetivo e individualizado, da periodontite de grau severo.

    Metodologia do estudo

    Com o objetivo de reconstruir de modo mais fidedigno as interações genéticas associadas à periodontite e identificação genética individual que parece ter mais influência sob a doença, os pesquisadores do estudo reverteram a engenharia do perfil da expressão genética de um conjunto de dados. No geral, 313 amostras de tecido gengival foram obtidas de um estudo transversal de 120 pacientes com periodontite, sendo 70 saudáveis clinicamente e 243 com áreas gengivais afetada por periodontite.

    Utilizando algoritmos especiais para estudar as interações entre os genes e identificar aqueles que rompem o tecido saudável e conduzem ao processo da doença, os pesquisadores foram capazes de identificar 41 deles diretamente envolvidos nesse processo, os regulons (coleções de genes) que englobam de 25 a 833 genes.

    “Nossa abordagem reduz a lista de interessantes e potenciais genes regulatórios envolvidos na periodontite”, disse o Prof. Panos N. Papapanou, que liderou a equipe de pesquisa da Faculdade de Medicina Dental do Centro Médico da Universidade Columbia. “Isto nos permite focar não apenas no conjunto de RNAs, mas em alguns genes que desempenham os papéis mais importantes neste processo”.

    Muitos dos genes identificados por Papapanou e sua equipe estão envolvidos nos processos imune e inflamatório, confirmando observações laboratoriais e consultórios sobre o desenvolvimento da doença periodontal.

    A identificação dos genes regulatórios permitirá aos pesquisadores testar compósitos que interrompam suas ações e assim interromper o desenvolvimento da doença periodontal nos seus estágios iniciais.
    “Agora é importante fazer o trabalho buscando a validação das descobertas feitas em laboratório antes de começarmos a testar estes genes em modelos experimentais”, disse Papapanou.

    O estudo, intitulado “Identification of master regulator genes in human periodontitis”, foi publicado em agosto na edição da revista Journal of Dental Research.

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Batom antimicrobiano com cranberry pode prevenir herpes labial e outras doenças virais e bacterianas.

      Batom protetor: a solução para o herpes labial

      Batom antimicrobiano com cranberry pode prevenir herpes labial e outras doenças virais e bacterianas.

      Artigo recente destaca a conexão entre a perda de dentes e o maior risco para o desenvolvimento de depressão

      Perda de dentes e depressão. Qual a conexão?

      Artigo recente destaca a conexão entre a perda de dentes e o maior risco para o desenvolvimento de depressão.

      Como se livrar da constipação: dicas práticas

      Saiba como se livrar da constipação incorporando medidas simples e práticas ao seu dia a dia que irão prevenir esse problema

      Como manter um sorriso saudável ao longo da vida

      Dicas de como manter um sorriso saudável ao longo da vida, incluindo medidas preventivas e simples para uma boa higiene bucal

      Má saúde bucal e disbiose: ligação com câncer e doenças sistêmicas

      Estudos recentes mostram que a má saúde oral, ou disbiose oral, pode estar associada a uma série de doenças sistêmicas, incluindo câncer. A...

      Álcool e câncer: a conexão

      Pesquisas recentes evidenciam fortemente a conexão entre o consumo de álcool e o risco aumentado para o desenvolvimento do câncer