Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Novo coronavírus infecta e se replica em células das glândulas salivares

    Coronavírus infecta e se replica em células das glândulas salivares

    Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) descobriram que o SARS-CoV-2 infecta e se replica nas glândulas salivares.

    A análise de amostras de três tipos de glândula salivar obtidas durante um procedimento de autópsia minimamente invasivo realizado em pacientes que morreram por complicações da (COVID-19) no Hospital das Clínicas, complexo hospitalar da FM-USP, mostrou que tecidos especializados na produção e secreção da saliva servem como reservatórios para o novo coronavírus.

    O estudo foi apoiado pela FAPESP e relatado em artigo publicado no Journal of Pathology.

    Testes diagnósticos para SARS-CoV-2 baseados em saliva

    Os pesquisadores afirmaram que a descoberta ajuda a explicar por que o vírus é tão abundante na saliva. Esse fato permitiu que os cientistas desenvolvessem testes diagnósticos baseados em saliva para a COVID-19.

    “Este é o primeiro relato da capacidade de um vírus respiratório de infectar e replicar em glândulas salivares. Até agora pensava-se que apenas vírus que causam doenças altamente prevalentes, como o herpes, usavam glândulas salivares como reservatórios. A descoberta pode ajudar a explicar por que o SARS-CoV-2 é tão contagioso”, disse à Agência FAPESP Bruno Fernandes Matuck, doutorando na Faculdade de Odontologia da USP e primeiro autor do artigo.

    Estudo prévio do mesmo grupo já havia demonstrado a presença de RNA do SARS-CoV-2 no tecido periodontal de pacientes que morreram de COVID-19.

    Como o SARS-CoV-2 é altamente infeccioso comparado com outros vírus respiratórios, eles levantaram a hipótese de que ele pode se replicar em células das glândulas salivares. Dessa forma pode estar presente na saliva sem entrar em contato com secreções nasais e pulmonares.

    Pesquisas anteriores detectaram receptores ACE2 em dutos da glândula salivar. A proteína de pico no SARS-CoV-2 liga-se ao ACE2 para invadir e infectar células. Mais recentemente, outros grupos de pesquisa realizaram estudos em animais mostrando que outros receptores além do ACE2, como transmembrana serina protease 2 (TMPRSS2) e furina, ambos presentes em glândulas salivares, são alvos do SARS-CoV-2.

    O estudo

    Para testar essa hipótese em humanos, foram realizadas autópsias guiadas por ultrassom em 24 pacientes que morreram de COVID-19, com idade média de 53 anos, para extrair amostras de tecidos das glândulas parótidas, submandibulares e pequenas salivares.

    As amostras de tecido foram submetidas à análise molecular (RT-PCR), que detectou a presença do vírus em mais de dois terços. A imuno-histoquímica — uma forma de imunoensaio onde os anticorpos se ligam ao antígeno na amostra de tecido, um corante é ativado e o antígeno pode ser visto sob um microscópio — também demonstrou a presença do vírus no tecido. Finalmente, o exame sob um microscópio eletrônico detectou não apenas a presença do vírus, mas também sua replicação em células e a categoria de organela que usa para se replicar.

    “Observamos vários vírus agrupados em células das glândulas salivares se replicando lá. Eles não estavam nessas células passivamente”, disse Fernandes Matuck.

    A boca como ponto direto de entrada

    Os pesquisadores agora planejam verificar se a boca pode ser de fato um ponto de entrada direto para o SARS-CoV-2. Isso porque os receptores ACE2 e TMPRSS2 são encontrados em várias partes da cavidade, bem como em tecido gengival e mucosa bucal.

    Além disso, a boca tem uma área de contato maior do que a cavidade nasal, que é amplamente considerada a principal porta de entrada para o vírus.

    “Vamos fazer parceria com pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, para mapear a distribuição desses receptores na boca e quantificar a replicação viral em tecidos orais”, disse Luiz Fernando Ferraz da Silva, professor da FM-USP e principal pesquisador do projeto.

    “A boca pode ser um meio viável para o vírus entrar diretamente no corpo”, disse Fernandes Matuck.

    Outra ideia é descobrir se as pessoas mais velhas têm mais receptores ACE2 na boca do que os mais jovens, dada a diminuição da secreção salivar com a idade. Os pesquisadores encontraram uma alta carga viral mesmo em pacientes mais velhos, com menos tecido salivar.

    “Estes pacientes apresentaram pouco tecido salivar, quase apenas tecido gorduroso. Mesmo assim, a carga viral era relativamente alta”, disse Fernandes Matuck.

    Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

    Fontes:  Coronavírus infecta e se replica em células das glândulas salivaresSalivary glands are a target for SARS-CoV-2: a source for saliva contamination

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Cuidado com estes mitos sobre saúde bucal

      Cuidar da saúde bucal é essencial para manter uma boa qualidade de vida. Uma boca saudável não apenas melhora a aparência, mas também...

      Ciência garante: exercício físico previne câncer

      Exercício físico regular fortalece o sistema imunológico e reduz o risco de câncer. Atividade física é uma arma na prevenção do câncer

      Escove seus dentes! Má higiene oral associada ao câncer e outras doenças graves

      A boca é o lar de uma comunidade diversificada de micro-organismos, com mais de 700 espécies identificadas. Novas tecnologias, como a análise de...

      Dentes e gengivas saudáveis: um guia prático

      Saúde bucal é mais importante do que você imagina. Décadas de pesquisa mostraram que a saúde bucal pode impactar significativamente o seu bem-estar...

      É natural e pode ser tão eficaz quanto o omeprazol para azia e má digestão

      É natural e pode ser tão eficaz quanto o omeprazol para azia e indigestão. A dispepsia, também conhecida como azia e indigestão, é...

      Pode haver maior risco de Alzheimer em mulheres que fazem reposição de hormônios na menopausa?

      O uso cíclico e de curto prazo da terapia de estrogênio e progesterona para os sintomas da menopausa está ligado a um aumento...