Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Quais são os sinais de desidratação em crianças?

    Todas as crianças e adultos perdem água constantemente ao longo do dia. A água evapora da pele e deixa o corpo quando você respira, chora, transpira e usa o banheiro. Em muitas ocasiões sinais de desidratação em crianças podem passar despercebidos.

    Na maioria das vezes, uma criança obtém água suficiente ao comer e beber para repor os líquidos perdidos. Em alguns casos, no entanto, as crianças podem perder mais água do que o normal. Febre, resfriados estomacais, saídas em dias quentes ou muito exercício, por exemplo, podem resultar em perda excessiva de líquidos. Isso pode levar à desidratação.

    A desidratação não pode ser considerada algo de pouca importância.
    Quando ela acontece, o corpo fica desprovida da quantidade de água suficiente para funcionar corretamente. Em casos graves, isso pode levar a danos cerebrais ou mesmo à morte (link, artigo anterior, desidratação).

    Continue lendo para reconhecer os sinais de alerta de desidratação em crianças e dicas de como evitá-la.

    Sinais de desidratação em crianças — meu filho pode estar em risco?

    A desidratação ocorre quando mais fluido sai do corpo do que entra nele.
    As crianças são mais suscetíveis à desidratação do que os adolescentes mais velhos e adultos porque têm corpos menores. Elas têm reservas menores de água.

    Algumas crianças ficam desidratadas porque não bebem água suficiente. Certos fatores também podem colocar seu filho em um risco maior de desidratação. Conheça-os:

    • Febre;
    • Vômitos;
    • Diarreia;
    • Suor excessivo;
    • Ingestão insuficiente de líquidos durante uma doença;
    • Doenças crônicas como diabetes ou distúrbio intestinal;
    • Exposição a clima quente e úmido;

    A diarreia pode ser causada por:

    • Uma infecção (viral, bacteriana ou parasita);
    • Alergia ou sensibilidade alimentar;
    • Uma condição médica como doença inflamatória intestinal ou uma reação a um medicamento.

    Se a sua criança estiver vomitando, tiver fezes aquosas ou não puder, ou não quiser beber em razão de uma doença, monitore-o para sinais de desidratação. Esteja pronto para responder.

    Desidratação em crianças — principais sinais

    A desidratação pode acontecer de forma muito lenta ou repentinamente.
    Crianças com alguma doença, especialmente viroses, devem ser monitoradas de perto quanto a sinais de desidratação. Os sinais de alerta nem sempre são óbvios.

    Não espere até que sua criança esteja com muita sede. Se estiverem com muita sede, podem já estar desidratadas.

    Em vez disso, preste atenção a estes sinais de aviso:

    • Lábios secos e rachados;
    • Urina de cor escura;
    • Pouca ou nenhuma urina por oito horas;
    • Pele fria ou seca;
    • Olhos fundos ou ponto mole afundado na cabeça (para bebês);
    • Sonolência excessiva;
    • Baixos níveis de energia;
    • Ausência de lágrimas ao chorar;
    • Agitação exacerbada;
    • Respiração e/ou frequência cardíacas aceleradas;

    Nos casos mais graves, a criança pode apresentar delírio ou inconsciência.

    Desidratação em crianças — tratamento

    A única maneira de tratar a desidratação com eficácia é repor os fluidos perdidos. A desidratação leve pode ser tratada em casa. Se a sua criança tiver diarreia, vômito ou febre, ou se estiver mostrando sinais de desidratação, siga estas etapas.

    • Dê a sua criança uma solução de reidratação oral. Tem aquela que você mesma pode preparar em casa de forma simples. Também existem opções comerciais, como, por exemplo, o Pedialyte. Essas soluções contêm água e sais em proporções precisas e são fáceis de digerir. Água pura geralmente não é suficiente. A água de coco não é a bebida adequada para se fazer a reidratação oral. Também não adianta dar água pura para a criança porque ela não repõe as quantidades de sódio e potássio perdidas pela criança. Continue dando líquidos a sua criança lentamente até que a urina esteja clara.
    • Se sua criança estiver vomitando, dê-lhes apenas uma pequena quantidade de cada vez, até que o vômito seja controlado.
      Eles podem tolerar apenas uma colher de cada vez Mesmo assim, é melhor que nada. Aumente gradualmente a frequência e a quantidade. Fazer a criança ingerir rapidamente pode causar o retorno do vômito.
    • Se você ainda está amamentando, continue a amamentar. Você também pode dar ao seu bebê uma solução de reidratação na mamadeira.

    Desidratação em crianças — como prevenir

    É importante que os pais conheçam os sinais de alerta da desidratação. Se sua criança estiver com muita sede, talvez já seja tarde demais. Aqui estão algumas etapas para evitar a desidratação.

    Tenha sempre à mão uma solução de reidratação oral.

    • Se seu filho ficar doente, seja proativo quanto à ingestão de líquidos. Comece a dar a eles água extra e uma solução de reidratação ao primeiro sinal de doença;
    • Crianças que não comem ou bebem devido à dor de garganta podem precisar aliviar a dor com o tratamento adequado;
    • Certifique-se de que seu filho esteja em dia com as vacinas, incluindo a vacina contra o rotavírus. O rotavírus causa um terço de todas as hospitalizações relacionadas à diarreia em crianças com menos de 5 anos. Converse com seu médico se tiver alguma dúvida ou preocupação sobre a vacina contra o rotavírus;
    • Ensine seu filho a lavar as mãos antes de comer ou beber e após usar o banheiro para evitar infecções;
    • Incentive as crianças a beberem muita água antes, durante e após o exercício;
    • Se você estiver ao ar livre em um dia quente de verão, permita que seu filho desfrute de uma piscina, irrigador ou descanse em um ambiente fresco e sombreado e ofereça-lhes bastante água.

    Desidratação em crianças — quando consultar um médico

    Leve sua criança para uma consulta médica se:

    • Seu filho não parece estar se recuperando ou está ficando mais desidratado;
    • Há sangue nas fezes ou vômito do seu filho;
    • Sua criança se recusa a beber ou tomar uma solução de reidratação oral;
    • O vômito ou diarreia do seu filho é persistente e grave e ele(a) não consegue beber líquidos suficientes para acompanhar o quanto está perdendo;
    • Diarreia persistente por vários dias.

    O médico pode verificar se há desidratação e repor os líquidos e sais do seu filho rapidamente por via intravenosa (soro), se necessário.

    Concluindo

    A desidratação de sua criança nem sempre pode ser evitada, mas existem ações preventivas que você pode adotar que podem ajudar. Aprenda a reconhecer os sinais de alerta. Entre em contato com seu pediatra se estiver preocupado com a possibilidade de seu filho estar desidratado.

    Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Face @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

    Fontes: American Family PhysicianMayo ClinicAboutKidsHealthverywell family

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Batom antimicrobiano com cranberry pode prevenir herpes labial e outras doenças virais e bacterianas.

      Batom protetor: a solução para o herpes labial

      Batom antimicrobiano com cranberry pode prevenir herpes labial e outras doenças virais e bacterianas.

      Artigo recente destaca a conexão entre a perda de dentes e o maior risco para o desenvolvimento de depressão

      Perda de dentes e depressão. Qual a conexão?

      Artigo recente destaca a conexão entre a perda de dentes e o maior risco para o desenvolvimento de depressão.

      Como se livrar da constipação: dicas práticas

      Saiba como se livrar da constipação incorporando medidas simples e práticas ao seu dia a dia que irão prevenir esse problema

      Como manter um sorriso saudável ao longo da vida

      Dicas de como manter um sorriso saudável ao longo da vida, incluindo medidas preventivas e simples para uma boa higiene bucal

      Má saúde bucal e disbiose: ligação com câncer e doenças sistêmicas

      Estudos recentes mostram que a má saúde oral, ou disbiose oral, pode estar associada a uma série de doenças sistêmicas, incluindo câncer. A...

      Álcool e câncer: a conexão

      Pesquisas recentes evidenciam fortemente a conexão entre o consumo de álcool e o risco aumentado para o desenvolvimento do câncer