Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Aditivo de alimentos que traz problemas a células digestivas

    Atraentes para o paladar, balas, doces, gomas de mascar e outros alimentos industrializados podem conter um aditivo alimentar capaz de afetar a estrutura e funcionamento das células intestinais.

    Segundo estudo da Universidade de Binghamton e da Universidade Estadual de Nova York, a capacidade das células do intestino delgado de absorver nutrientes e atuar como uma barreira aos agentes que causam doenças é “significativamente diminuída” após exposição crônica a nanopartículas de dióxido de titânio, um aditivo alimentar comum encontrado em tudo, desde goma de mascar até pão.

    Em laboratório, os pesquisadores expuseram um modelo de cultura de células do intestino delgado ao tempo equivalente a sua permanência no corpo humano após uma refeição (quatro horas, considerada exposição aguda) ou três refeições em cinco dias (exposição crônica).

    Surpreendentemente, as exposições agudas não tiveram muito efeito, mas a exposição crônica diminuiu a capacidade de absorção da superfície das células intestinais chamadas microvilosidades. Com menos microvilosidades, a barreira intestinal foi enfraquecida, o metabolismo diminuiu e alguns nutrientes – ferro, zinco e ácidos graxos, especificamente – foram mais difíceis de absorver.

    Segundo o estudo, as funções enzimáticas foram afetadas negativamente, enquanto os sinais de inflamação aumentaram.

    Ingestão quase que inevitável

    O dióxido de titânio é geralmente reconhecido como seguro pela Food and Drug Administration dos EUA, e a sua ingestão é quase inevitável. O composto é um material inerte e insolúvel que, além de ser empregado como aditivo alimentar, é comumente usado para pigmentação branca em tintas, papel e plásticos. É também um ingrediente ativo em protetores solares baseados em minerais para a pigmentação para bloquear a luz ultravioleta.

    Ainda de acordo com a pesquisa, publicada na revista científica NanoImpact. Zhongyuan Guo, o óxido também é usado em alguns chocolate para dar uma textura suave; em donuts para fornecer cor; e em leites desnatados para uma aparência mais brilhante, mais opaca que torna o leite mais saboroso.

    Para evitar alimentos ricos em nanopartículas de óxido de titânico, os pesquisadores recomendam que as pessoas evitem alimentos processados, e especialmente doces. “É neles onde você vê um monte de nanopartículas”, disse Mahler.

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Periodontite e o Risco de AVC em Pessoas com Menos de 50 anos

      A periodontite, uma inflamação das estruturas que sustentam nossos dentes, pode aumentar muito o risco de AVC (derrame cerebral) em pessoas com menos...

      Alerta para os riscos do Xilitol – Novo Estudo

      Um recente estudo, publicado no European Heart Journal, revelou uma ligação preocupante entre o consumo de xilitol, um adoçante de baixas calorias, e...

      Câncer bucal: o dentista pode ser o primeiro a detectar

      Quando vamos ao dentista, geralmente buscamos resolver um problema dental que esteja nos incomodando, obter uma limpeza dental ou melhorar a estética dos...

      Infecções Bucais: Causas, Sintomas e Tratamentos

      Infecções na boca podem ser bem incômodas e causar preocupação, tornando tarefas do dia a dia, como comer ou escovar os dentes, mais...

      Novo Medicamento pode Regenerar Dentes Perdidos

      Os cientistas vêm obtendo progresso no desenvolvimento de um novo medicamento que pode ajudar a regenerar os dentes. Sim, regenerar os dentes. O...

      Periodontite pode aumentar risco de morte, revela estudo

      Uma pesquisa recente acendeu um alerta vermelho ao revelar uma forte conexão entre a periodontite e o risco de morte por diversas causas.O...