Câncer de glândula salivar: tudo o que você precisa saber

As glândulas salivares produzem saliva, que mantém a boca úmida e auxilia na digestão.
O câncer de glândula salivar é um câncer raro que começa no tecido de uma dessas glândulas.

Nos Estados Unidos, o câncer de glândula salivar é responsável por menos de 1% de todos os cânceres. Afeta uma em cada 100.000 pessoas.

Neste artigo, vamos examinar mais de perto o câncer de glândula salivar. Você também vai conhecer seus sintomas, tratamentos e fatores de risco.

O que é o câncer de glândula salivar?

A boca contém muitas glândulas salivares. Algumas são maiores e mais relevantes do que outras.
O câncer de glândula salivar ocorre quando uma dessas glândulas desenvolve um tumor cancerígeno.

Glândulas salivares

Existem três pares de glândulas salivares principais.

As glândulas parótidas , posicionadas bem na frente de cada orelha, são as maiores glândulas salivares.
São as glândulas mais sujeitas ao desenvolvimento de um tumor.
Embora a maioria dos tumores que se desenvolvem nessas glândulas sejam benignos, é também o ponto de partida para a maioria dos tumores malignos de glândula salivar.

As glândulas sublinguais situam-se sob a língua e são as menores das glândulas salivares principais. É raro que um tumor se inicie a partir dessas glândulas.

As glândulas submandibulares estão logo abaixo da mandíbula.
Cerca de 10 a 20% dos tumores começam a partir delas. Cerca de 50% são malignos .

Existem também centenas de glândulas salivares menores espalhadas pela boca. Cânceres também podem surgir nos seguintes locais:

  • Seios da face ;
  • Língua ;
  • Parte interna das bochechas ;
  • Laringe ;
  • Cordas vocais.

Em glândulas menores a probabilidade do surgimento de tumores é menor. Porém, no caso de ocorrência, há maior chance de malignidade.

Dentro do grupo do câncer de glândula salivar também podemos falar dos cânceres dos sistemas sanguíneo e linfático, como o linfoma não-Hodgkin.

Os tumores benignos não se espalham localmente ou para partes distantes do corpo.
No entanto, sem tratamento ou após a remoção incompleta, um tumor benigno pode se tornar maligno.

Os tumores malignos são mais agressivos e apresentam maior risco de metástase ou disseminação.
A cirurgia geralmente oferece a possibilidade de uma cura completa.

Categorias de câncer de glândula salivar

São muitas as categorias de câncer de glândula salivar.
Alguns são adenocarcinomas. Esses são cânceres de células que secretam substâncias.

São categorias de câncer de glândula salivar:

  • Carcinomas mucoepidermóides : costumam ter crescimento lento e começam principalmente nas glândulas parótidas;
  • Carcinomas adenóides císticos : também têm crescimento lento, mas podem ser difíceis de curar porque crescem ao longo dos nervos;
  • Cânceres de células acínicas : ocorrem mais frequentemente em uma idade mais jovem e costumam ter crescimento lento;
  • Adenocarcinomas polimórficos de baixo grau : são principalmente curáveis ​​e começam nas glândulas salivares menores.

Às vezes, os médicos podem identificar que uma pessoa tem um adenocarcinoma, porém não conseguem identificar sua categoria.

São conhecidos como adenocarcinoma, sem outra especificação. São mais comuns nas glândulas parótidas e salivares menores.

Outros tipos raros de câncer também podem se desenvolver. Por exemplo, os sarcomas. Esses são cânceres de células do tecido conjuntivo.
No entanto, é raro que um sarcoma se desenvolva nas glândulas salivares.

O linfoma não-Hodgkin, um câncer das células do sistema imunológico, se desenvolve principalmente em pessoas com síndrome de Sjögren.
Essa é uma doença autoimune que afeta as células das glândulas salivares.

Sintomas

São sintomas que um portador de câncer de glândula salivar pode apresentar:

  • Dificuldade em abrir a boca completamente ;
  • Músculos faciais fracos em um lado do rosto ;
  • Inflamação ou caroço ao redor da mandíbula, boca ou área do pescoço ;
  • Uma diferença notável na forma de um lado do pescoço ou rosto ;
  • Sensação de entorpecimento em parte do rosto ;
  • Dor constante na glândula salivar .

As pessoas devem consultar um médico ao perceberem a presença de quaisquer caroços indolores que não sejam resultados de uma infecção conhecida.

Fatores de risco

Vários fatores podem aumentar o risco do desenvolvimento do câncer de glândula salivar.
Indivíduos que se submeteram à radioterapia para cânceres anteriores de cabeça e pescoço podem ter uma chance maior de desenvolver câncer de glândula salivar numa etapa posterior.

Pessoas mais velhas também têm maior chance de desenvolver câncer de glândula salivar, embora pessoas de qualquer idade possam desenvolvê-lo.

Os homens também têm um risco ligeiramente maior do que as mulheres de ter câncer de glândula salivar.

Fatores genéticos também podem aumentar o risco.
No entanto, isso é muito raro, e os médicos não acreditam que a história familiar contribua para o câncer de glândula salivar na maioria das pessoas.

A exposição no local de trabalho a substâncias, como pó de liga de níquel e pó de sílica, também pode ser um fator. A pesquisa abrange outros elementos que podem representar riscos potenciais. Pode-se relacionar o uso de telefone celular, dieta e consumo de tabaco e álcool.
No entanto, estudos ainda não confirmaram o impacto desses fatores no desenvolvimento do câncer de glândula salivar.

Diagnóstico

O médico perguntará à pessoa sobre seu histórico médico e examinará os lados do rosto, a boca e a área ao redor da mandíbula.

A percepção de inchaço nos gânglios linfáticos pode ser um sinal sintomático de câncer. Fraqueza muscular ou dormência no rosto podem indicar que o câncer se espalhou para os nervos.

O médico pode solicitar exames de imagem para determinar a localização e a disseminação de qualquer doença.
Pode-se também recomendar uma biópsia para coleta e análise do tecido das glândulas salivares.

Em uma biópsia incisional, o especialista faz um pequeno corte e remove uma amostra do tumor, que posteriormente é enviada para análise laboratorial.
Dependendo dos achados iniciais, o especialista pode recomendar uma cirurgia para remoção do tumor.

Tratamento

O tratamento do câncer de glândula salivar geralmente envolve cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou uma combinação dessas.

Cirurgia

A cirurgia é normalmente a principal forma de tratamento do câncer de glândula salivar.
A equipe cirúrgica pode precisar remover toda a glândula salivar, com quaisquer nervos e dutos para os quais o câncer possa ter se espalhado.

Se o tumor for pequeno e de fácil acesso, o cirurgião pode remover apenas o tumor e uma pequena quantidade de tecido circundante.

Radiação

Na radioterapia, a equipe de tratamento do câncer direciona partículas ou feixes de energia de alta potência em um tumor para retardar o crescimento ou destruir as células cancerosas.

O tipo mais comum de radioterapia para câncer de glândula salivar é a radioterapia por feixe externo. Ele fornece um nível intenso de radiação.

Uma pessoa geralmente precisa de tratamento com radiação diária, 5 dias por semana. O período do tratamento dura até 7 semanas.

As novas variedades de radioterapia que podem ter mais sucesso incluem a radiação hiperfracionada acelerada. Isso divide os tratamentos em várias doses menores por dia.

Uma equipe de tratamento do câncer também pode administrar medicamentos radiossensibilizadores. Isso torna o tumor mais sensível à radioterapia, o que significa que poderá eliminar mais células cancerosas.

Quimioterapia

O médico solicita quimioterapia quando o câncer se espalha para outras partes do corpo.
O indivíduo toma medicamentos por via oral ou intravenosa para eliminar as células cancerosas.

Uma variedade de medicamentos é colocada à disposição da equipe encarregada do tratamento. Dentre esses quimioterápicos, um desses representantes é o 5-fluorouracil (5-FU) ou carboplatina.

Tratamento – Efeitos colaterais

As complicações da cirurgia incluem:

  • Reações adversas ao anestésico ;
  • Cicatrização lenta de feridas ;
  • Infecção ;
  • Sangramento excessivo .

O dano ao nervo pode fazer com que um lado do rosto sofra retração. O indivíduo pode ter dificuldade para engolir ou falar após a cirurgia.

Em alguns casos, uma pessoa pode passar por uma cirurgia reconstrutiva e um fonoaudiólogo pode ajudar a restaurar algumas funções perdidas de comer e falar.

A sudorese gustativa, ou síndrome de Frey , ocorre quando os nervos voltam a crescer de maneira incomum.

Esse crescimento pode levar à sudorese em algumas áreas do rosto durante a mastigação.
Uma nova cirurgia ou medicação pode tratar isso.

Os efeitos adversos da radioterapia geralmente incluem:

  • Sensação de queimação na pele ;
  • Náusea ;
  • Náusea a vômitos ;
  • Fadiga ;

Normalmente desaparecem após o tratamento. A radioterapia pode, no entanto, ter efeitos em outras partes da cabeça e do pescoço, incluindo:

  • Boca seca devido à diminuição da produção de saliva ;
  • Feridas na garganta e boca ;
  • Garganta seca, dor de garganta ;
  • Dificuldade em engolir ;
  • Perda total ou parcial do paladar ;
  • Dor e dano ósseo ;
  • Agravamento dos problemas dentários ;
  • Dano à glândula tireoide ;
  • Zumbido ou sensação de plenitude nos ouvidos .

A quimioterapia mata as células cancerosas, mas também pode afetar algumas células saudáveis. Como, por exemplo, os folículos capilares e as células do revestimento da boca.

Os efeitos colaterais comuns incluem:

  • Redução do apetite, náuseas e vômitos ;
  • Contagem baixa de glóbulos brancos e vermelhos ;
  • Aumento do risco de infecções e fadiga ;
  • Baixa contagem de plaquetas no sangue ;
  • Facilitação de contusões ;
  • Perda de cabelo ;
  • Aftas .

Após completar o tratamento, o médico continuará monitorando o paciente de perto.
É importante comparecer a todas as consultas de acompanhamento, pois isso pode ajudar a minimizar quaisquer efeitos colaterais do tratamento e lidar com qualquer recorrência precocemente.

Prevenção

A prevenção do câncer de glândula salivar é difícil porque se desconhece o que o causa.

Evitar o fumo e o álcool pode reduzir ligeiramente o risco desse câncer raro e de muitos outros tipos mais comuns.

Pessoas que trabalham em ambientes onde há pó de liga de níquel, pó de sílica ou substâncias radioativas devem usar proteção adequada.

Perspectivas

O prognóstico para pessoas com câncer de glândula salivar depende de quão longe o câncer se espalhou de seu local original (metástase).

American Cancer Society (ACS) considera uma taxa de sobrevivência de 5 anos como um parâmetro da perspectiva de vida de um indivíduo após o diagnóstico de câncer.

Isso compara a probabilidade de uma pessoa com câncer viver 5 anos após a data do diagnóstico com a de uma pessoa que não tem câncer.

Se um médico identifica e trata o câncer de glândula salivar antes de ocorrer metástase, o indivíduo tem em média 93% de chance de sobreviver por 5 anos após o diagnóstico.

Se o câncer se espalhar para o tecido próximo, a taxa é reduzida para 67%.
Se o câncer se espalhar para locais distantes, a taxa de sobrevivência de 5 anos é de 34%.

No entanto, podem ocorrer variações conforme a idade, estado geral de saúde e do sucesso do tratamento.

O diagnóstico e o tratamento precoces são as melhores maneiras de melhorar a perspectiva de uma pessoa com relação ao câncer de glândula salivar.

Siga a Dentalis no Instagram @ DentalisSoftware , no Face @ Dentalis.Software e no Twitter @ Dentalisnet

Fontes: American Cancer Society , National Institute of Dental and Craniofacial Reserarch , National Cancer Institute , American Cancer Society

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?