Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Como a saliva pode ser afetada pela menstruação, gravidez e menopausa?

    A saliva pode ser afetada pela menstruação, gravidez e menopausa. Isso é o que estudos mais recentes apontam. Existem variações físicas, hormonais e psicológicas nas mulheres que afetam sua saúde geral.

    Essas condições podem influenciar o ambiente da cavidade oral, especificamente a taxa de fluxo salivar, o pH da saliva e sua capacidade de protetiva.

    A associação de várias propriedades da saliva com as diferentes fases do ciclo menstrual da mulher permanece pouco investigada pela ciência.

    Isso é explicado por uma pesquisa publicada no Cureus, que acrescenta que a dieta e taxa de fluxo salivar estão correlacionados. E essa pesquisa aponta que a comida não afeta apenas o fluxo salivar, mas também tem impacto na percepção sensorial.

    Por exemplo, no paladar, que por sua vez influencia os hábitos alimentares da pessoa.

    Ou seja, com as variações do fluxo salivar e do pH, a capacidade de sentir o paladar também pode ser alterada durante as fases da gravidez, menstruação e menopausa.

    E precisamente o artigo em questão avalia a taxa de fluxo salivar, pH e função gustativa em várias fases da vida das mulheres para determinar o impacto da menstruação, gravidez e menopausa na saliva, bem como a relação recíproca entre saliva e função gustativa.

    Saliva e menstruação

    Taxa de fluxo salivar

    Vários estudos sobre a taxa de fluxo salivar indicam que as mulheres menstruadas não apresentaram mudanças estatisticamente significativas. Embora Kullander e Sonesson tenham mostrado que a produção estimulada por histamina era marginalmente maior durante a fase lútea da menstruação.

    Percepção do gosto

    Observa-se que as preferências das mulheres por alimentos doces mudam à medida que o ciclo menstrual progride, com alterações nos hábitos alimentares e outras preferências de gosto.

    Por exemplo, numerosos pesquisadores relataram que as mulheres na fase lútea de seu ciclo menstrual gostam particularmente de alimentos salgados.

    E segundo estudo de Barbosa et al., também durante a fase lútea do ciclo menstrual há uma alteração na percepção do paladar, típica do gosto ácido. Isso resulta em maus hábitos alimentares que levam a distúrbios no metabolismo e doenças como a obesidade.

    pH salivar

    A capacidade de tamponamento salivar (manter o pH da boca como básico) depende principalmente da velocidade do fluxo salivar, resultando em baixa concentração de saliva em situações onde o fluxo salivar é restrito.

    Estudos revelaram que os níveis de capacidade tampão não mudam durante o período menstrual.

    Saliva e gravidez

    Taxa de fluxo salivar

    Em geral, estudos mostram que a taxa de fluxo salivar é menor em mulheres grávidas em comparação com mulheres não grávidas.

    Os níveis de progesterona e estrogênio (estradiol, estriol e estrona) aumentam gradual e significativamente no momento da gravidez devido à secreção placentária desses hormônios. E a taxa de fluxo salivar diminui à medida

    que o nível de progesterona e somatomamotropina coriônica humana aumenta.

    Percepção do gosto

    Os vários estudos revisados ​​não fornecem conclusões significativas, exceto no estudo de Kuga et al. que descobriu que as mulheres grávidas preferiam sabores ácidos/azedos.

    A redução da sensibilidade gustativa ocorre durante a gravidez, tornando mais difícil para a mãe ingerir eletrólitos suficientes e fornecer ao feto uma dieta balanceada.

    pH salivar

    O pH da saliva é influenciado pela taxa de fluxo salivar. Portanto, o pH salivar é maior em taxas de fluxo mais altas. Segundo estudos, o pH salivar de gestantes é inferior (mais ácido) ao de não gestantes.

    Por exemplo, citando apenas alguns dos incluídos no estudo original, quando Rosenthal et al. analisaram o pH da saliva em mulheres grávidas e não grávidas, descobriram que a saliva das grávidas tinha um pH médio de 6,5, enquanto a das não grávidas tinha um pH médio de 7,0.

    De acordo com Laine et al., o pH salivar cai à medida que a gravidez progride e então aumenta rapidamente após o parto.

    Outros estudos observaram que alterações nutricionais, vômitos, variações na microbiota oral, mudanças na dieta e má higiene bucal desempenham um papel vital no desenvolvimento de cáries durante a gravidez.

    Saliva e menopausa

    Sabe-se há muito tempo que o desconforto oral, incluindo sensações de queimação, está intimamente ligado à menopausa. Várias mudanças distintas vêm com a menopausa, algumas das quais afetam a boca.

    Com base na revisão de artigos, foi demonstrado que o estrogênio pode afetar uma variedade de tecidos orais, incluindo as articulações temporomandibulares, mucosa oral, glândulas salivares e ossos da mandíbula.

    Além disso, após a menopausa, foram observadas variações nas redes cerebrais e na funcionalidade das papilas gustativas.

    Taxa de fluxo salivar

    Os resultados indicam que desde o início da menopausa até a menopausa completa, a taxa de fluxo salivar diminui gradualmente. No entanto, a diferença não se mostrou estatisticamente significativa.

    Verificou-se também que o envelhecimento geriátrico pode levar à diminuição do fluxo salivar.

    Pacientes com baixa taxa de fluxo salivar têm maior chance de cárie dentária, disfagia (dificuldade de engolir alimentos e líquidos), mucosite oral e alterações do paladar.

    Percepção do gosto

    A nutrição é essencial durante a menopausa, pois o estado nutricional pode afetar a função quimiossensorial e o declínio, resultando em mudanças na dieta.

    Como a saliva e a dieta são interdependentes, o comportamento alimentar e o estado nutricional podem afetar a produção salivar e a percepção sensorial, além do fluxo salivar. Como resultado, a menopausa pode potencialmente modificar a capacidade de percepção do sabor, com alterações na taxa de fluxo salivar e no pH.

    Vários estudos concluíram que as mulheres na pós-menopausa têm uma intensidade de percepção de doces menor.

    Como não há correlação direta entre menstruação, menopausa e distúrbios do paladar, pode haver maior incidência de desconforto oral entre as mulheres devido a flutuações hormonais, incluindo queixas de infecções fúngicas, sensação de queimação na cavidade oral, inflamação das glândulas salivares e alterações do humor.

    pH salivar

    Em relação ao pH, observou-se que as mulheres na pós-menopausa têm um pH salivar significativamente mais baixo do que as mulheres menstruadas e grávidas.

    Nas mulheres, o pH salivar está altamente correlacionado com os níveis plasmáticos de adiponectina, um marcador de tolerância ao risco cardiometabólico pró-inflamatório relacionado ao diabetes tipo II e obesidade.

    O pH salivar é determinado por vários componentes de risco cardiometabólico, como oxidação, inflamação e muitos moduladores da saúde, incluindo o estado da menopausa. Assim, pode-se deduzir que o pH salivar poderia ser uma medida viável de análise do perfil de risco cardiometabólico.

    Concluindo

    A conclusão do trabalho de pesquisa é que as variações hormonais ocorrem ao longo da vida da mulher, influenciando a fisiologia de todo o corpo, envolvendo a cavidade bucal.

    Isso pode levar a alterações nas taxas de fluxo salivar, capacidade de tamponamento e discernimento do paladar ou pode ter um impacto direto no metabolismo do tecido periodontal.

    Observou-se que no contexto do fluxo salivar e pH, não se observa alteração significativa durante a menstruação, mas nota-se variação na percepção dos sabores doce, salgado e azedo.

    Na fase de gestação, observou-se diminuição do fluxo salivar e do pH, com preferência por sabores ácidos/azedos.

    Durante a menopausa, há uma diminuição significativa no fluxo salivar e no pH, bem como uma diminuição na intensidade de percepção de sabores doces.

    Certamente, todas essas mudanças, a depender do estado em que o paciente se encontra, é algo que deve ser considerado ao realizar vários tratamentos ou indicações.

    Já sabemos que a saúde bucal feminina é mais vulnerável na menopausa e que existe uma relação entre as alterações do microbioma oral e os resultados adversos da gravidez, pelo que uma atenção especial deve ser dada a estas situações.

    Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

    Fontes: Appraisal of Saliva and Its Sensory Perception in Reproductive Transitions of Women: A Review, Cómo impactan la menstruación, el embarazo y la menopausa en la saliva?, How Pregnancy and Your Menstrual Cycle Can Affect Your Oral Health, Oral Health During Pregnancy

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Diabetes e doença gengival – a conexão

      Estudos recentes reforçam a constatação de que diabetes e doença periodontal, como periodontite, estão diretamente ligados.

      Fio ou fita dental: qual é a melhor para sua higiene dental?

      Fio ou fita dental são essenciais à rotina diária de limpeza dos dentes. Mas afinal, qual devo escolher? Qual é melhor para você?

      Remédios para asma podem em maior ou menor grau trazerem problemas à sua saúde bucal. Saiba o que fazer e como evitar que isso aconteça.

      Remédios para asma podem fazer mal à saúde bucal?

      Remédios para asma podem em maior ou menor grau trazerem problemas à sua saúde bucal. Saiba o que fazer e como evitar que...

      Aprenda sobre a importância da saúde das gengivas e conheça dicas essenciais para mantê-las saudáveis ao longo da vida.

      Saúde das Gengivas: cuidados essenciais

      Aprenda sobre a importância da saúde das gengivas e conheça dicas essenciais para mantê-las saudáveis ao longo da vida.

      Derrame e saúde bucal: conheça a ligação

      Derrame e saúde bucal estão diretamente relacionados, é o que nos revela um estudo científico recente. Cuidar da saúde bucal é imprescindível.

      Hipersensibilidade dental

      Hipersensibilidade dental: como prevenir e aliviar

      Conheça dicas práticas do que você pode fazer para prevenir e aliviar a desagradável hipersensibilidade dental