Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Como diminuir riscos de falha do implante em fumantes

    Um estudo chinês comparando a estabilidade do implante e resposta tecidual do peri-implante em grandes fumantes e não fumantes verificou que fumar não afeta o sucesso global da cirurgia de implante, como todos os implantes realizaram osteointegração e sem complicações pelo menos até o final da décima segunda semana após a colocação. No entanto, o tabagismo causou ao osso ao redor dos implantes uma cura mais lenta; assim, implantes começaram a osteointegração consideravelmente mais tarde do que o previsto no grupo de não fumantes.

    A pesquisa tem demonstrado que o tabagismo pode afetar negativamente o implante e a integração óssea. A fim de melhorar os resultados do tratamento e evitar falha do implante, cirurgiões precisam ter uma compreensão exata de como o hábito irá afetar o processo de cicatrização.

    No atual estudo, implantes 45 ITI (Straumann) foram colocados em mandíbulas posteriores de 32 pacientes do sexo masculino parcialmente edentados, dos quais 16 eram fumantes pesados e 16 não fumantes. A estabilidade do implante e resposta tecidual do peri-implante foram avaliados em três, quatro, seis, oito e doze semanas de pós-operatório.

    Problemas na integração óssea dos implantes

    Apesar dos implantes em ambos os grupos terem integração óssea pelo final da 12ª semana, o processo de cicatrização diferiu significativamente entre não fumantes e fumantes pesados. Em não fumantes, a estabilidade melhorada e os implantes começaram a integrar melhor ao osso após à segunda semana. No grupo de fumantes, porém, só começou a integração óssea dos implantes e se tornaram mais estáveis após à terceira semana.

    Apesar dos resultados a curto prazo em ambos os grupos, fumantes tiveram mais problemas, incluindo uma maior perda óssea ao redor dos implantes e nas bolsas mais profundas de tecidos moles. No entanto, fumar não teve efeito significativo sobre a placa bacteriana ou sangramento sulcular no grupo de estudo.

    À luz das conclusões, os pesquisadores sugerem que os cirurgiões talvez necessitem alterar seu planejamento padrão de carga do implante para pacientes que fumam fortemente. Além disso, fumantes devem estar cientes de que o hábito favorece a perda de osso marginal e o desenvolvimento dentário de bolsas e poderia assim levar a complicações mesmo após a integração óssea, eles concluíram.

    O estudo intitulado “Efeito de fumantes pesados sobre implantes dentários colocados nas mandíbulas posteriores de pacientes do sexo masculino: Um estudo clínico prospectivo”, foi realizado por pesquisadores do First Affiliated Hospital of Xi’an Jiaotong Xi’an na China. Os resultados foram publicados em dezembro de 2016 no Journal of Oral Implantology.

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Síndrome da Boca Ardente: nova esperança para o alívio

      Você sente uma sensação crônica de queimação na boca sem causa aparente? Nesse caso, você pode ser uma das muitas pessoas que sofrem...

      A Influência do DNA na Saúde Bucal

      Conheça o papel da genética sobre a saúde bucal. Será que apenas a genética pode garantir uma boa saúde dos dentes e gengivas?...

      Tártaro: o vilão silencioso da sua saúde bucal

      Dentes limpos não significam necessariamente dentes saudáveis. O tártaro, também conhecido como placa bacteriana, é uma camada pegajosa que se acumula nos dentes...

      Quando levar seu bebê no dentista pela primeira vez?

      A chegada do primeiro dentinho do bebê é um marco emocionante. Mas você sabia que esse momento também marca o início de uma...

      A Raiz do Mau Hálito: A Ciência Revela

      Ciência revela a origem do mau hálito e sua associação com as bactérias da flora bucal. Saiba como prevenir e tratar o mau...

      Dentes brancos: promessas da publicidade vs. realidade do tratamento

      Artigo destaca as diferenças entre as promessas dos cremes dentais clareadores e o clareamento dental profissional realizado por dentistas