Como reduzir o risco de disseminação do coronavírus durante procedimentos odontológicos

Os procedimentos odontológicos podem representar um alto risco de transmissão viral porque as ferramentas usadas frequentemente produzem aerossóis, que podem conter inúmeros vírions SARS-CoV-2, cópias do vírus, causadoras da COVID-19.

Os aerossóis são gerados quando a saliva se mistura com a água e os fluxos de ar usados ​​em procedimentos odontológicos. Como resultado, o acesso à odontologia de rotina continua sendo um tanto que limitada durante a atual pandemia de COVID-19.

Consultórios odontológicos na prevenção da disseminação do coronavírus

Os consultórios odontológicos na prevenção da disseminação do coronavírus vem buscando se adaptar a atual situação.
Tiveram que introduzir novos 
processos de descontaminação de salas e medidas de equipamentos de proteção individual que reduziram drasticamente o número de pacientes que podem ser tratados em um único dia.

Em particular, os dentistas precisam deixar longos intervalos entre os tratamentos, deixando salas desocupadas para permitir que os aerossóis se dissipem. Isso está limitando o acesso dos pacientes e desafiando a viabilidade financeira para muitas clínicas odontológicas em todo o mundo.

Agora, pesquisadores do Imperial College London e King’s College Londo mediram e analisaram a geração de aerossóis durante procedimentos odontológicos e sugeriram mudanças para prevenir riscos de contaminação. Essas recomendações buscam garantir segurança tanto para os pacientes como para as equipes de odontologia.

Recomendações dos pesquisadores

Eles sugerem que os dentistas evitem o uso de brocas que usam uma mistura de ar e água como refrigerantes de abrasão e selecionem e controlem cuidadosamente as velocidades de rotação da broca para os instrumentos que usam apenas água como refrigeração. Foram identificados parâmetros que permitiriam que alguns procedimentos, como obturações dentárias, fossem realizados em condições que produzissem 60 vezes menos gotas de aerossol do que a instrumentação convencional.

O autor principal, Dr. Antonis Sergis, do Departamento de Engenharia Mecânica do Imperial, afirmou: “Os aerossóis são uma rota de transmissão conhecida para o vírus por trás do COVID-19. Então, com nossos colegas da King’s, testamos soluções sugeridas que reduzem a quantidade de aerossóis produzidos em primeiro lugar. Isso poderia ajudar a diminuir o risco de transmissão durante procedimentos odontológicos.”

O co-autor, Professor Owen Addison, da Faculdade de Odontologia, Ciências Oral e Craniofacial do King’s College London, disse: “este importante trabalho descreve os mecanismos básicos que levam às características dos aerossóis dentários, atualmente consideramos de alto risco. Isso nos permitiu indicar parâmetros de broca para manter nossos pacientes e equipe odontológica seguros neste momento difícil. Embora não possamos fornecer todos os procedimentos, porque desacelerar nossas brocas é muito menos eficiente, agora temos a base para fazer mais do que fizemos nos últimos 6 meses.”

Os resultados foram publicados no dia 16/12/20 no Journal of Dental Research e já estão sendo incluídos como evidências em guias de práticas odontológicas no Reino Unido durante a pandemia. A pesquisa colaborativa usou a experiência em engenharia da Imperial e a experiência clínica na Faculdade de Odontologia, Ciências Oral e Craniofacial do King’s College London.

Como o estudo foi realizado e as descobertas

Os pesquisadores usaram salas clínicas odontológicas no Guy’s Hospital em Londres para testar como os aerossóis são gerados durante procedimentos como remoção de cáries, aplicação e polimento de obturações e ajuste de próteses. Eles mediram a geração de aerossóis usando câmeras de alta velocidade e ‘lasers’. Eles então usaram essas descobertas para sugerir modificações.

Também descobriram que o uso de variedades de brocas de turbina de ar, que são o tipo mais comum de broca dentária, cria nuvens densas de gotículas de aerossol que se espalham a uma velocidade de 12 metros por segundo e podem contaminar rapidamente uma sala de tratamento inteira. Apenas um mililitro de saliva de pacientes infectados contém até 120 milhões de cópias do vírus, cada uma com capacidade de infectar.

Eles testaram um tipo diferente de broca, conhecido como micromotor elétrico de alto torque, com e sem o uso de água e ar. Eles descobriram que usar esta opção de broca em baixas velocidades de menos de 100.000 rpm sem correntes de ar produziu 60 vezes menos gotas do que aquelas de turbina a ar.

Além disso, eles descobriram que a concentração e a dispersão do aerossol dentro de uma sala dependem do posicionamento do paciente, da presença de sistemas de ventilação e do tamanho e geometria da sala. Também é influenciada pela direção e velocidade inicial do próprio aerossol, que pode ser afetada pela categoria de instrumento de corte (rebarba) e pela quantidade da água de resfriamento usada.

Os pesquisadores dizem que ao compreender como reduzir a quantidade de aerossol gerada poderiam ajudar os dentistas a praticar mais e ajudar os pacientes a obter o tratamento de que necessitam.

Eles também observam que os pacientes ainda não devem comparecer às consultas odontológicas se apresentarem sintomas de COVID-19.

O professor Owen Addison, do King’s, disse: “Devido à pandemia de COVID-19, a odontologia se tornou uma prática de alto risco — mas a necessidade de tratamentos não desapareceu. Nossas sugestões podem ajudar a abrir a odontologia aos pacientes novamente. “

Concluindo

As sugestões dos pesquisadores foram incluídas na avaliação de evidências em documento odontológico intitulado “Revisão Rápida de Procedimentos de Geração de Aerossóis em Odontologia”, publicado pelo Scottish Dental Clinical Effectiveness Program.

Os resultados do estudo também foram considerados por uma força-tarefa de especialistas convocada pela Faculdade de Prática Odontológica Geral do Reino Unido e pela Faculdade de Odontologia Geral  —e publicados em seu guia intitulado “Implicações da Covid-19 para o gerenciamento seguro da prática odontológica.”

O co-autor, Professor Yannis Hardalupas, do Departamento de Engenharia Mecânica do Imperial, disse: “O impacto dos resultados é significativo. Por exemplo, a categorização de risco para procedimentos odontológicos incluídos no documento do FGDP (Reino Unido) foi certamente influenciada por nosso trabalho.”

A pesquisa da equipe está em andamento. Atualmente, eles estão avaliando melhor o risco de infecção ao quantificar a quantidade de saliva misturada aos aerossóis gerados por instrumentos odontológicos.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Face @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fonte: Journal of Dental Research 

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?