Conheça como o Dentalis pode ajudar o seu consultório

É possível detectar o câncer de boca logo no seu início?

O dentista pode detectar o câncer de boca logo no seu início durante um check-up odontológico de rotina de seus pacientes.

Encontrando suspeita de anormalidades na cavidade oral, o dentista pode encaminhar o paciente a um médico ou oncologista para outros exames.

A cavidade oral é formada por língua, lábios, gengivas, palato, dentes e revestimento interno das bochechas. O desenvolvimento de câncer em uma ou mais dessas áreas denomina-se como câncer bucal.

Não existe um processo de rastreio de rotina para o câncer oral. No entanto, dentistas e outros profissionais de saúde podem detectar câncer ou lesões pré-cancerígenas na cavidade oral durante exames de rotina.

Este artigo analisa o rastreamento do câncer bucal, a detecção precoce, o diagnóstico e muito mais.

O que é o câncer bucal?

O câncer oral, câncer de cavidade oral ou câncer de boca é o câncer que começa em qualquer local dentro da cavidade oral.

É considerado uma variedade de câncer de cabeça e pescoço.

Os cânceres orais podem causar sintomas, incluindo um ou mais dos seguintes sinais:

  • Ferida na boca que não cicatriza;
  • Dor de garganta persistente;
  • Caroços ou áreas grossas na boca;
  • Dor persistente na boca, mandíbula ou dente;
  • Manchas vermelhas ou brancas na boca, ou língua;
  • Dificuldade para engolir ou mastigar;
  • Rigidez da mandíbula.

No entanto, esses sintomas não são conclusivos sobre a existência de câncer bucal e podem resultar de outras condições. Qualquer pessoa com  um ou mais desses sintomas que persistam por mais de 2 semanas deve consultar seu dentista para um check-up.

Rastreamento do câncer bucal

O rastreamento do câncer é o processo  da busca por sinais indicativos de câncer antes do aparecimento de quaisquer sintomas.

É de grande importância para ajudar na detecção do câncer em seu estágio inicial.

Cânceres detectados precocemente, respondem aos tratamentos de forma mais eficaz.

A Sociedade Americana do Câncer observa que não existe um processo de rastreio de rotina para o câncer oral. No entanto, se o indivíduo se submeter a exames odontológicos regulares, o dentista poderá detectar anormalidades e possíveis lesões precursoras em um estágio inicial.

Todo o indivíduo deve visitar regularmente seu dentista para exames regulares, com a frequência de ao menos uma vez a cada 6 meses.

No entanto, pacientes com doenças gengivais ou outros problemas odontológicos precisam consultar seu dentista três ou quatro vezes por ano.

Pessoas que fumam, costumavam fumar ou bebem álcool regularmente também estão mais expostas a riscos e há necessidade de exames com maior regularidade.

Métodos de triagem

Durante os exames de saúde, o profissional pode se utilizar de vários métodos para procurar quaisquer anormalidades na cavidade oral que possam ser indicativo de câncer.

O rastreamento do câncer bucal envolve as análises do:

  • Histórico médico: É importante revisar os hábitos e saúde de uma pessoa, doenças anteriores e tratamentos. O tabagismo e o consumo regular e exagerado de álcool pode representar um indicativo de risco aumentado para o câncer bucal;
  • Exames físicos: Os dentistas ao examinarem a boca e a garganta do paciente podem encontrar elementos incomuns, como a presença de caroços ou manchas;
  • Testes laboratoriais: Se o profissional de saúde detectar uma anormalidade, ele pode enviar amostras de sangue, tecido ou outras substâncias para um laboratório para análise;
  • Testes de imagem: incluem procedimentos que tiram imagens do interior do corpo, como exames de ressonância magnética, exames de PET, tomografia computadorizada e raios-X odontológicos.

Os procedimentos específicos que um profissional de saúde pode realizar para rastrear o câncer bucal incluem:

Teste de corante azul de toluidina

Um dentista ou médico pode realizar este teste em um check-up regular para aqueles pacientes com risco aumentado para o desenvolvimento de câncer bucal, como pessoas que fumam, por exemplo.

Para isso, utiliza-se um corante especial chamado azul de toluidina para revestir o interior da boca. Quaisquer áreas anormais que o corante tocar ficarão com um azul mais escuro.

Isso permite que o profissional de saúde detecte qualquer tecido anormal que seja difícil de observar a olho nu.

Teste de luz fluorescente

Outro teste que um dentista ou médico pode realizar para detectar o câncer bucal precocemente é o teste de luz fluorescente.

É um teste em que uma luz especial e projetada na boca e, se a luz atingir o tecido anormal, ela será refletida de maneira diferente daquela do tecido normal.

Isso permite que o profissional de saúde detecte qualquer tecido com alteração  que possa ser indicativo de câncer.

Um dispositivo mais recente chamado VELscope também usa luz fluorescente.

Este dispositivo permite que os profissionais de saúde detectem quaisquer alterações na estrutura celular que possam indicar câncer.

É uma técnica que não substitui a triagem convencional. Em vez disso, pode complementar esse processo.

Citologia esfoliativa

A citologia esfoliativa é o estudo das células obtidas por esfoliação do tecido do indivíduo.

Se um profissional de saúde detectar qualquer área anormal na cavidade oral, podem ser coletadas amostras para um exame mais aprofundado. Essa coleta de células é feita através de uma ferramenta semelhante a um pincel usado para raspagem de algumas das células, que serão enviadas para um laboratório para análise.

Os patologistas do laboratório podem então analisar a amostra em busca de células cancerígenas ou pré-cancerosas.

O teste é simples, e por isso é uma boa maneira de detectar precocemente o câncer bucal. No entanto, esse método não mostra todos os cânceres e, às vezes, pode ser difícil dizer se as células são cancerígenas. Nesses casos, o médico pode solicitar uma biópsia.

Autotriagem

A verificação periódica através do autoexame da cavidade oral em busca de anormalidades é de grande importância.

Todo indivíduo deve examinar sua boca, língua, gengivas, dentes e garganta no espelho pelo menos uma vez por mês.

Isso é especialmente importante para pessoas que fumam, costumavam fumar ou consomem álcool regularmente, pois esses comportamentos estão entre os fatores de risco para o desenvolvimento do câncer bucal.

Ao notar qualquer alteração em sua cavidade oral, como o desenvolvimento de feridas, caroços ou manchas brancas, o indivíduo deve ficar atento.

Se esses sintomas persistirem por mais de 2 semanas, eles devem entrar em contato com seu  dentista ou médico.

Tratamento

O diagnóstico seguido da escolha do tratamento é realizado por um oncologista.

Os métodos de tratamento para o câncer bucal são os seguintes:

  • Cirurgia: Esta é muitas vezes a primeira opção para o tratamento do câncer bucal. O oncologista pode recomendar diferentes tipos de cirurgias, dependendo do estágio e da localização do câncer.

Um cirurgião pode remover o tumor e a área ao redor dele. Se o câncer progrediu ainda mais, eles podem ter de remover todo ou parte de certos órgãos, como a língua.

  • Radioterapia: Esta técnica usa raios-X para destruir as células cancerígenas. O especialista pode recomendar seu uso após a cirurgia ou de forma isolada caso o paciente não possa se submeter a cirurgia.

Em alguns casos, o paciente pode receber radioterapia com outro tratamento, como a quimioterapia.

  • Quimioterapia: envolve o uso de fármacos que eliminam as células cancerosas. A terapia pode se dar por via oral ou injetável.
  • Imunoterapia: o médico utiliza medicamentos que ajudam a melhorar a resposta imune do paciente.

Isso pode fortalecer o sistema imunológico na destruição das células cancerígenas.

Tende a apresentar menos efeitos colaterais do que a quimioterapia.

Fatores de risco

Algumas pessoas estão mais expostas ao risco de desenvolver câncer bucal.

Dentre os fatores de risco para câncer bucal, destacamos

  • Tabagismo;
  • Consumo regular de bebidas alcoólicas;
  • Apresentar infecção por papilomavírus humano (HPV);
  • Ser homem;
  • Idade superior a 55 anos;
  • Má nutrição;
  • Apresentar certas síndromes genéticas, como anemia de Fanconi ou disceratose congênita.

Os cânceres orais são duas vezes mais comuns em homens do que em mulheres. Algumas pessoas sugerem que a saúde bucal geral de uma pessoa pode afetar seu risco de desenvolver câncer bucal; por isso, é importante escovar os dentes e usar fio dental regularmente e fazer exames odontológicos.

Resumindo

Os profissionais de saúde podem detectar células anormais ou pré-cancerosas durante exames odontológicos de rotina. Alguns testes que podem ser usados para rastrear o câncer bucal incluem um teste de corante azul de toluidina ou um teste de luz fluorescente.

As pessoas devem se habituar a consultar seu dentista ao menos uma vez a cada 6 meses.

Os indivíduos que fumam ou consomem bebidas alcoólicas – ambos podem aumentar o risco de desenvolver câncer bucal – devem fazer um check-up odontológico três ou quatro vezes por ano.

Cada um pode realizar a autotriagem examinando regularmente sua boca, garganta e língua no espelho. Quaisquer anormalidades e sintomas persistentes devem ser relatados ao dentista ou médico.

As opções de tratamento para o câncer bucal incluem cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

Parar de fumar reduz o risco de câncer bucal. O uso de tabaco – através do fumo, mastigação ou qualquer outro método – é um dos fatores de risco mais significativos para o câncer bucal.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

Fontes: What Are Oral Cavity and Oropharyngeal Cancers?, Can Oral Cavity and Oropharyngeal Cancers Be Found Early?, Risk Factors for Oral Cavity and Oropharyngeal Cancers, Dental Exam

Conheça como o Dentalis pode ajudar o seu consultório

Sugestões de leitura

Hipersensibilidade dental

Hipersensibilidade dental: como prevenir e aliviar

Conheça dicas práticas do que você pode fazer para prevenir e aliviar a desagradável hipersensibilidade dental

Solução de Fluoreto de Diamina: Redução de até 80% das Cáries em Crianças

Novo estudo descobriu que uma solução barata usada para tratar dentes sensíveis pode ser tão eficaz quanto os selantes dentários na prevenção da...

Síndrome da Boca Ardente: nova esperança para o alívio

Você sente uma sensação crônica de queimação na boca sem causa aparente? Nesse caso, você pode ser uma das muitas pessoas que sofrem...

Aplicações da Inteligência Artificial na Odontologia

A inteligência artificial (IA) já é uma realidade na odontologia, que pode crescer muito nos próximos anos, com muitos benefícios.

A Influência do DNA na Saúde Bucal

Conheça o papel da genética sobre a saúde bucal. Será que apenas a genética pode garantir uma boa saúde dos dentes e gengivas?...

Tártaro: o vilão silencioso da sua saúde bucal

Dentes limpos não significam necessariamente dentes saudáveis. O tártaro, também conhecido como placa bacteriana, é uma camada pegajosa que se acumula nos dentes...