Conheça como o Dentalis pode ajudar o seu consultório

Novo e eficaz gel no tratamento de doenças da gengiva

Um novo e eficaz gel no tratamento de doenças da gengiva que bloqueia o receptor de um subproduto metabólico chamado succinato, suprimindo a inflamação e alterando a composição das bactérias na boca.

É o que asseguram terem descoberto pesquisadores da NYU College of Dentistry em artigo publicado na revista Cell Reports. Este novo gel no tratamento de doenças da gengiva mostrou-se eficaz.

Novo e eficaz gel no tratamento de doenças da gengiva

A pesquisa, realizada em camundongos e usando células humanas e amostras de placa, estabelece as bases para um tratamento não invasivo para doenças gengivais que os pacientes podem aplicar nas gengivas em casa para prevenir ou tratar doenças gengivais.

Doença gengival (Periodontite)

A doença gengival (também conhecida como periodontite ou doença periodontal) é uma das doenças inflamatórias mais prevalentes, afetando quase metade dos adultos com 30 anos ou mais.

É caracterizada por três componentes: inflamação, um desequilíbrio de bactérias saudáveis ​​e insalubres na boca e destruição dos ossos e estruturas que sustentam os dentes. A doença gengival descontrolada pode levar ao sangramento e dor nas gengivas, dificuldade para mastigar e perda de dentes em estágios mais avançados.

“Nenhum tratamento atual para a doença gengival reduz simultaneamente a inflamação, limita a interrupção do microbioma oral e previne a perda óssea. Há uma necessidade urgente de saúde pública para tratamentos mais direcionados e eficazes para esta doença tão comum”, disse Yuqi Guo, cientista envolvido na pesquisa e membro do Departamento de Patobiologia Molecular da NYU Dentistry e co-primeiro autor do estudo.

Pesquisas anteriores

Pesquisas anteriores ligaram o aumento de succinato – uma molécula produzida durante o metabolismo – à doença gengival, com níveis mais altos de succinato associados a níveis mais elevados de inflamação. Guo e seus colegas da NYU Dentistry descobriram em 2017 que níveis elevados de succinato ativam o receptor de succinato e estimulam a perda óssea. Essas descobertas tornaram o receptor de succinato um alvo atraente para combater a inflamação e a perda óssea – e potencialmente interromper a doença das gengivas.

Fortalecendo a ligação entre succinato e doença gengival

Os pesquisadores começaram examinando amostras de placa dental de humanos e amostras de sangue de camundongos. Usando análises metabolômicas, eles encontraram níveis mais altos de succinato em pessoas e camundongos com doença gengival em comparação com aqueles com gengivas saudáveis, confirmando o que estudos anteriores tinham observado.

Em tempo: análise metabolômica é aquela aplicada ao diagnóstico de doenças: a detecção ou variação de determinados metabólitos em plasma sanguíneo (imagem), urina, lágrima e outros fluidos biológicos poderiam sugerir o estado de saúde de um indivíduo.

Informações adicionais da pesquisa

Os pesquisadores também observaram que o receptor de succinato foi expresso em gengivas humanas e de camundongo. Para testar a conexão entre o receptor de succinato e os componentes da doença gengival, eles alteraram geneticamente camundongos para inativar, ou “inativar”, o receptor de succinato.

Em camundongos “inativados” com doença gengival, os pesquisadores mediram níveis mais baixos de inflamação no tecido gengival e no sangue, bem como menor perda óssea. Eles também encontraram bactérias diferenças em suas bocas: camundongos com doença gengival tinham um desequilíbrio maior de bactérias do que os camundongos “inativados”.

Evidências

Isso se evidenciou quando os pesquisadores administraram succinato extra a ambos os tipos de camundongos, o que agravou a doença gengival em camundongos normais; no entanto, camundongos “inativados” se mantiveram protegidos da inflamação, do aumento de bactérias insalubres e perda óssea.

“Camundongos sem receptores de succinato ativos foram mais resistentes à doença”, afirmou Fangxi Xu, pesquisador assistente do Departamento de Patobiologia Molecular da NYU Dentistry e co-primeiro autor do estudo. “Embora já soubéssemos que havia alguma conexão entre succinato e a doença gengival, agora temos evidências mais fortes de que o succinato elevado e o receptor de succinato são os principais fatores da doença”.

Um novo tratamento – resultados promissores

Para ver se o bloqueio do receptor de succinato poderia melhorar a doença gengival, os pesquisadores desenvolveram uma formulação em gel de um pequeno composto que tem como alvo o receptor de succinato e impede que ele seja ativado. Em estudos de laboratório de células da gengiva humana, o composto reduziu a inflamação e os processos que levam à perda óssea.

O composto foi então aplicado como um gel tópico nas gengivas de camundongos com doença gengival, o que reduziu a inflamação local e sistêmica e a perda óssea em questão de dias.

Tratamento eficaz

Em um teste, os pesquisadores aplicaram o gel nas gengivas de camundongos com doença gengival a cada dois dias durante quatro semanas, o que reduziu a perda óssea pela metade em comparação com os camundongos que não receberam o gel.

Os camundongos tratados com o gel também tiveram mudanças significativas na comunidade de bactérias em suas bocas. Notavelmente, as bactérias da família Bacteroidetes – que incluem patógenos conhecidos por serem dominantes na doença gengival – foram eliminadas naqueles tratados com o gel.

Realizamos testes adicionais para ver se o próprio composto agia como um antibiótico e descobrimos que não afeta diretamente o crescimento de bactérias. Isso sugere que o gel altera a comunidade de bactérias através da regulação da inflamação“, disse Deepak Saxena, professor de patobiologia molecular na NYU Dentistry e co-autor sênior do estudo.

O desenvolvimento continua com alta expectativa de sucesso

Os pesquisadores continuam estudando o gel em modelos animais para encontrar a dosagem e o momento apropriados para aplicação, bem como determinar qualquer toxicidade. Seu objetivo de longo prazo é desenvolver um gel e uma tira oral que possam ser usadas em casa por pessoas com ou em risco de doença gengival. E também como uma formulação mais forte e de liberação lenta que os dentistas possam aplicar nas bolsas que se formam nas gengivas, no curso da doença gengival.

“Os tratamentos atuais para doenças gengivais graves podem ser invasivos e dolorosos. No caso dos antibióticos, que podem ajudar temporariamente, eles eliminam as bactérias boas e ruins, destruindo o microbioma oral.

Este novo composto que bloqueia o receptor de succinato tem claro valor terapêutico para tratar doenças gengivais usando processos mais direcionados e convenientes”, disse Xin Li, professor de patologia molecular da NYU Dentistry e principal autor do estudo.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

Fonte: Targeting the succinate receptor effectively inhibits periodontitis

Conheça como o Dentalis pode ajudar o seu consultório

Sugestões de leitura

Aplicações da Inteligência Artificial na Odontologia

A inteligência artificial (IA) já é uma realidade na odontologia, que pode crescer muito nos próximos anos, com muitos benefícios.

Pacientes em uso de Ozempic: quais cuidados o dentista deve ter

Quais cuidados o dentista precisa ter antes da realização de procedimentos com anestesia que exijam sedação profunda

Arma Promissora Contra o Câncer de Boca

A hesperidina, um composto natural, pode ser uma alternativa promissora para o tratamento do câncer de boca, com efeitos colaterais mínimos.

Novo teste para câncer de boca: mais simples, preciso e acessível

Conheça o novo teste que promete o diagnóstico rápido do câncer bucal e que poderá ser realizado na clínica ou consultório odontológico

Broto de bambu: esperança natural contra a cárie dentária?

Cárie dentária é uma preocupação constante para a saúde bucal. Felizmente, pesquisas recentes lançam luz sobre uma possível solução natural para este problema:...

Osteoporose e falha de implante dentário

O artigo traz novas informações para responder à pergunta: pacientes com osteoporose podem apresentar maior risco de falhas em implantes dentários?