Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Quatro doenças ligadas às doenças das gengivas

    As doenças das gengivas estão entre as patologias crônicas humanas mais comuns, afetando entre 20 a 50% das pessoas em todo o mundo.

    Elas se desenvolvem quando a placa, uma película pegajosa de bactérias, se acumula nos dentes. Os estágios iniciais da doença gengival são tratáveis ​​e reversíveis, como, por exemplo, no caso da gengivite.

    Mas algumas pessoas desenvolvem uma forma destrutiva crônica de doença gengival, irreversível.

    Esta doença progride para a perda do dente.

    Um crescente corpo de evidências mostra que a doença gengival também pode tornar as pessoas mais propensas a desenvolver outras condições graves de saúde.

    As doenças das gengivas e a ligação com outras doenças é o nosso tema de hoje.

    Aqui estão algumas das condições de saúde comuns ligadas à doença gengival e como elas estão conectadas.

    1. Mal de Alzheimer

    Vários grandes estudos e meta-análises concordam que a doença das gengivas moderada ou grave está significativamente associada à demência. Por exemplo, um estudo mostrou que sofrer de doença gengival crônica por dez anos ou mais estava associado a um risco 70% maior de desenvolver Alzheimer do que aqueles com gengivas saudáveis.

    A pesquisa também mostrou uma ligação entre a doença das gengivas e um declínio de seis vezes na capacidade cognitiva.

    Inicialmente, pensava-se que as bactérias eram diretamente responsáveis ​​por esse link.

    A P. gingivalis, bactéria comum na doença crônica da gengiva, foi encontrada no cérebro de pessoas que morreram de doença de Alzheimer.

    Enzimas bacterianas (proteases) tóxicas chamadas gingipains também foram encontradas, que se acredita agravem a doença das gengivas, impedindo que a resposta imune seja desligada, portanto, prolongando a inflamação.

    No entanto, não é certo se a presença de bactérias no cérebro, uma resposta imune modificada ou outros fatores – como danos causados ​​por inflamação sistêmica – expliquem a ligação.

    Mas certamente cuidar de sua saúde bucal pode ser uma maneira de reduzir o risco da doença de Alzheimer.

    2. Doença cardiovascular

    A doença cardiovascular também está firmemente associada à doença das gengivas.

    Em um grande estudo com mais de 1.600 pessoas com mais de 60 anos, a doença gengival foi associada a um risco quase 30% maior do primeiro ataque cardíaco. Essa ligação persistiu mesmo após os pesquisadores terem ajustado outras condições (como diabetes e asma) ou hábitos de vida (como tabagismo e grau educacional) conhecidos por aumentar o risco de ataque cardíaco.

    Mais recentemente, estudos também mostraram que a inflamação sistêmica causada pela doença gengival crônica faz com que as células-tronco do corpo produzam um grupo hiperresponsivo de neutrófilos (um tipo de glóbulo branco de defesa inicial). Essas células podem danificar o revestimento das artérias, danificando as células que revestem as artérias – desencadeando o acúmulo de placas.

    3. Diabetes tipo 2

    A doença das gengivas é uma complicação conhecida do diabetes tipo 2, e a doença gengival crônica aumenta o risco de desenvolver diabetes tipo 2.

    Os processos que ligam as duas doenças são o foco de muitas pesquisas, e é provável que a inflamação causada por cada condição afete a outra. Por exemplo, o diabetes tipo 2 aumenta o risco de doença gengival, aumentando a inflamação nas gengivas. A gengivite também demonstrou contribuir para a sinalização prejudicada da insulina e a resistência à insulina que podem exacerbar o diabetes tipo 2.

    Vários ensaios clínicos mostraram que uma limpeza dental intensiva pode melhorar o controle da glicose no sangue em pacientes diabéticos por vários meses, mostrando ainda mais as ligações entre as duas doenças.

    4. Cânceres

    A gengivite também está ligada a um risco maior de desenvolver muitos tipos de câncer.

    Por exemplo, os pacientes que relataram ter um histórico de doença gengival mostraram ter um risco 43% maior de câncer de esôfago e um risco 52% maior de câncer de estômago.

    Outra pesquisa também relatou que pessoas com doença gengival crônica tinham um risco entre 14 e 20% maior de desenvolver qualquer tipo de câncer. O mesmo estudo também mostrou um risco 54% maior de câncer de pâncreas.

    Não está claro por que essa relação existe. Alguns acreditam que tem a ver com inflamação, sendo um fator presente tanto na doença das gengivas quanto no câncer. A inflamação perturba o ambiente que as células precisam para se manterem saudáveis ​​e funcionarem adequadamente e é um fator na progressão da doença gengival e do crescimento do tumor.

    Melhorar a saúde das gengivas

    A doença das gengivas  é evitável e reversível nos estágios iniciais.

    Embora alguns fatores de risco para doenças gengivais não possam ser alterados (como sua genética), você pode mudar seu estilo de vida para reduzir seu risco geral.

    Menos alimentos açucarados

    Por exemplo, ingerir menos alimentos açucarados, evitar cigarro e álcool e reduzir o estresse podem ajudar.

    Também é importante saber que certos medicamentos (como alguns antidepressivos e medicamentos para hipertensão) podem diminuir a produção de saliva, o que pode aumentar o risco de doença gengival.

    As pessoas que tomam esses medicamentos precisam tomar precauções extras, como usar géis ou borrifadores especiais para aumentar a produção de saliva ou ter cuidado extra ao escovar os dentes.

    Obviamente, as coisas mais importantes que você pode fazer para se proteger da doença gengival (e, posteriormente, de sua saúde geral) são escovar os dentes com creme dental com flúor e passar fio dental após as refeições  e evitar o uso de enxaguante bucal com álcool após a escovação – permita que o flúor (presente no creme dental) permaneça mias tempo em contato com seus dentes antes de enxaguar. As idas regulares ao dentista também são fundamentais para manter sua saúde bucal sob controle.

    Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

    Fontes: Prevalence of periodontal disease, its association with systemic diseases and prevention, Periodontitis and Cognitive Decline in Alzheimer’s Disease, Periodontitis Increases the Risk of a First Myocardial Infarction: A Report From the PAROKRANK Study, The Roles of Neutrophils Linking Periodontitis and Atherosclerotic Cardiovascular Diseases, Periodontitis and diabetes, Benefits of non-surgical periodontal treatment in patients with type 2 diabetes mellitus and chronic periodontitis: A randomized controlled trial, Periodontal Disease, Tooth Loss, and Risk of Esophageal and Gastric Adenocarcinoma: A Prospective Study, Periodontal Disease, Tooth Loss, and Cancer Risk, What is periodontal disease?, Inflammation and Cancer: Triggers, Mechanisms, and Consequences, Interplay between inflammatory tumor microenvironment and cancer stem cells (Review)

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Novo Antibiótico: Uma Inovação Promissora para a Odontologia

      Hoje falaremos sobre uma descoberta que pode revolucionar o tratamento das infecções odontológicas. Recentemente, foi desenvolvido um novo antibiótico que representa um avanço...

      Um elixir que pode combater a periodontite: conheça o elixir de Matcha.

      Hoje vamos conversar sobre uma descoberta que pode contribuir para o tratamento da periodontite.Vocês já ouviram falar do elixir oral de Matcha? Pois...

      Gel de lidocaína: uma técnica anestésica útil para a terapia periodontal não cirúrgica

      Hoje compartilharemos com vocês uma descoberta interessante na área da odontologia. Recentemente um estudo publicado no Journal of Periodontology destacou a eficácia do gel...

      Bruxismo e TEPT: Ranger os dentes pode ser sinal de estresse pós-traumático

      Hoje vamos compartilhar com vocês algumas informações interessantes sobre um tema que pode afetar muitas pessoas: o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e...

      Magnificação na Odontologia Moderna: Abrindo Caminhos para Precisão e Conforto

      Hoje vamos abordar  um assunto muito importante na odontologia moderna: a magnificação. É incrível como essa tecnologia tem se mostrado um aliado indispensável,...

      Odontologia restauradora: solução Inovadora para Dentes Pilares Não Paralelos

      No dinâmico cenário da odontologia, um avanço significativo surge para enfrentar um desafio persistente enfrentado por pacientes e profissionais: dentes pilares não paralelos....