Ergonomia em Odontologia: Dicas simples para trabalhar sem dor

Ergonomia no trabalho do dentista

Devido ao alto índice de lesões e desconfortos, é importante que os dentistas estejam familiarizados com a ergonomia no âmbito da odontologia.

Dentistas e seus assistentes costumam permanecer em posições muitas das vezes inadequadas por longos períodos.

Também por hábito seguram pequenos instrumentos e executam movimentos precisos de braço e mão que pode lhes trazer prejuízos à saúde.

Há muitas coisas que os dentistas podem fazer para reduzir a chance de lesões.

Ergonomia em Odontologia: o que não se pode esquecer       

Postura adequada

A ergonomia na odontologia começa com uma postura adequada. Isso significa manter o corpo em uma posição neutra o máximo possível. Os dentistas devem se manter eretos em vez de se inclinar sobre o paciente. É importante tentar trabalhar o mais próximo possível do paciente. Isso ajudará a reduzir a prática de estender demasiadamente ambos os braços.

Outros bons hábitos são manter os pés no chão e voltá-los em direção à cadeira. Ao ajustar a cadeira, é melhor mantê-la em uma altura que permita que as coxas se mantenham um pouco para baixo. Os óculos de lupa odontológica fornecerão ampliação para reduzir a necessidade dos dentistas de se inclinarem para frente ou para baixo ao buscar visualizar a boca do paciente.  Importante também que o profissional se mantenha sentado ao atender o paciente, em vez de ficar em pé durante o procedimento.

Instrumentação

Ao segurar os instrumentos, certifique-se de não segurá-los fortemente demais. Isso é importante para evitar a fadiga muscular.

Instrumentos afiados facilitam o trabalho do dentista. Isso por que reduzem a quantidade de força que o dentista terá de empregar.

O uso de instrumentos com alças ou apertos mais volumosos ajuda a reduzir a tensão da mão e do braço. Empresas especializadas geralmente comercializam versões grossas e finas de espelhos, inserções ultrassônicas e instrumentos. Procure trabalhar com instrumentos leves em vez de pesados. Ao usar um instrumento, segure os pulsos em uma posição neutra, e tente fazer apenas pequenos movimentos.

Problemas com a mão e pulso

Uma causa predominante de distúrbios repetitivos da mão é a flexão constante em movimentos de extensão do pulso e dos dedos. Movimentos crônicos e repetitivos da mão e do pulso, especialmente com a mão na posição de ‘beliscar’, parecem ser os mais prejudiciais. Outros fatores comuns que colaboram com lesões nas mãos e pulsos incluem:

  • Movimentos nos quais o pulso é desviado da postura neutra para uma posição anormal ou estranha, trabalhando por longo  tempo sem repouso ou alternância de músculos da mão e do antebraço;
  • Tensões mecânicas nos nervos digitais desde apertos sustentados até bordas afiadas nas alças do instrumento;
  • Trabalho vigoroso e uso prolongado de instrumentos vibratórios.

Algumas das condições problemáticas da mão e do pulso são as seguintes:

Posicionamento do paciente

Posicionar o paciente sentado numa posição adequada é importante para assegurar uma melhor ergonomia para o dentista.

Embora isso nem sempre seja possível, ajuda se o paciente se mantiver na posição de deitado na cadeira a maior parte do tempo.

Faça com que o paciente coloque sua cabeça mais ao nível do encosto de cabeça para ser mais fácil de alcançar a sua mandíbula.

Muitos dentistas sofrem de dor no pescoço, costas ou braços. Muitas vezes, eles acabam desenvolvendo a síndrome do túnel do carpo.

Seguindo esses passos simples para uma melhor ergonomia no exercício da odontologia, essas dores podem ser reduzidas ou mesmo evitadas.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware,  no Facebook @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisne

Fontes: Ergonomics in DentistryOperator Position, Patient Position and Chair Height in Dentistry

t

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?