Gengivite pode estar ligada a risco aumentado de depressão

A conexão gengivite e depressão

De acordo com um estudo recente publicado no Journal of Psychiatric Research, pacientes com gengivite crônica apresentam quase o dobro do risco de desenvolver depressão do que aqueles com gengivas saudáveis.

Os autores da pesquisa analisaram pacientes com 14 anos ou mais que foram diagnosticados com gengivite crônica no Reino Unido.

Cerca de 16% das pessoas com gengivite crônica foram diagnosticadas com depressão em 10 anos, em comparação com 9% das pessoas sem gengivite crônica.

Conforme os pesquisadores, “foi demonstrado que a saúde mental pode ter um impacto negativo na saúde bucal e que os componentes biológicos e mecanismos comportamentais que estão ligados à depressão podem ter um efeito adverso na saúde periodontal. Porém, pouco se sabe sobre a associação inversa”.

Estudo realizado em pacientes do Reino Unido

O estudo foi conduzido entre janeiro de 2000 e dezembro de 2016. Ele se focou em indivíduos que receberam um diagnóstico de gengivite crônica em um dos 256 consultórios odontológicos gerais do Reino Unido. Os autores excluíram pacientes com diagnóstico de outras categorias de doenças mentais, como esquizofrenia, transtornos de humor e ansiedade.

Para comparar a incidência de depressão, eles usaram um banco de dados sobre prescrições e diagnósticos de medicamentos e dados médicos e demográficos básicos, 6.544 pacientes com gengivite crônica e 6.544 pacientes sem gengivite crônica foram incluídos na análise.

No total, 16,3% das pessoas com gengivite crônica e 8,8% sem gengivite crônica receberam o diagnóstico de depressão em 10 anos. A equipe de pesquisa, liderada por Lisa Lotta Cirkel, descobriu uma relação positiva e significativa entre as duas condições, pois os pacientes com gengivite crônica tinham 1,82 vezes mais probabilidade de desenvolver depressão.

Esses resultados são válidos para homens e mulheres e para todas as faixas etárias, exceto aqueles com mais de 65 anosA relação entre gengivite e depressão subsequente foi especialmente notável em pacientes entre 21 e 50 anos. “Parece haver uma forte associação entre os jovens adultos”, afirmam os autores.

A conexão Gengivite e Depressão

Uma resposta imuno inflamatória pode ser o gatilho entre a gengivite e a depressão, observam os autores. A inflamação está ligada à neuroinflamação e à síntese prejudicada de serotonina. “Restrições na higiene oral e no uso de próteses, bem como dor e halitose, podem estar associadas a sintomas depressivos”, afirma Cirkel e o restante dos pesquisadores.

Os autores acreditam que este é até o único estudo até o momento estudando a gengivite como fator de risco para depressão no Reino Unido. E isso significa que faltam pesquisas para comparar os resultados. Na verdade, os autores afirmam que, se tivessem mais informações, poderiam ter criado uma análise mais detalhada.

Finalmente, os pesquisadores argumentam que “a conexão entre essas duas doenças merece mais atenção dos grupos profissionais de estudos, e é importante entender que ambas podem influenciar uma à outra.”

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fonte: Relationship between chronic gingivitis and subsequent depression in 13,088 patients followed in general practices

Sugestões de leitura

Morsicatio buccarum

Morder a parte interna da boca: o que causa esse hábito?

Mordeduras na parte interna da boca podem causar lesões na mucosa.  É um comportamento repetitivo e compulsivo.  Pode resultar em sangramento, inflamação e...

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?