O uso do fio dental reduz o risco de um ataque cardíaco?

Victor Hugo Cardoso • jun 02, 2021

A importância do uso do fio dental

É fácil entender a importância dos hábitos regulares de higiene bucal para evitar problemas com base na boca, como cáries e sangramento nas gengivas.

 

Mas quando estendemos a discussão para saber se o uso regular do fio dental pode reduzir nosso risco de problemas no corpo inteiro, como um ataque cardíaco, a ligação entre os dois temas pode ficar um pouco confusa.

 

Afinal, onde está a conexão entre nossas bocas e nossos corações?

 

Como você verá a seguir, ter uma boca saudável é o ponto de partida para ter um corpo saudável.

 

A conexão boca e corpo

Em 2006, uma equipe de pesquisadores – liderada pelo Dr. Steven R. Gundry, do International Heart and Lung Institute em Palm Springs, Califórnia – fez um estudo com 300 pessoas com risco moderado de doenças cardíacas.

 

Neste estudo, os pesquisadores determinaram se os participantes estavam em risco de doença cardíaca medindo um biomarcador comum chamado proteína C reativa (PCR).

 

A PCR é um componente do nosso sangue que responde ao nível de inflamação no corpo.

 

Os pesquisadores descobriram que a PCR fornece um indicador melhor para medir o risco de doenças cardíacas do que outros marcadores comuns, como os níveis de colesterol no sangue.

 

No estudo, os pesquisadores decidiram testar apenas o que chamaram de ‘modificação do estilo de vida’.

 

Os participantes foram simplesmente solicitados a passar fio dental nos dentes pelo menos a cada dois dias.

 

É isso!

 

Em outras palavras, os pesquisadores não pediram aos participantes que mudassem os alimentos que ingeriam ou a quantidade de exercícios que faziam; eles apenas pediram que usassem fio dental pelo menos dia sim, dia não.

 

Os resultados

Após 6 meses, todas as 300 pessoas tiveram seus níveis de proteína C reativa testados novamente.

 

Os níveis de PCR para todos os 300 participantes caíram abaixo do limite que os tornava ’em risco’ de doenças cardíacas!

 

Embora esse fato por si só seja impressionante, os pesquisadores então deram mais um passo que acabou dando ao mundo uma informação importante.

 

Os pesquisadores instruíram os participantes a parar de usar fio dental.

 

E quando os níveis de PCR dos participantes foram testados novamente, adivinhe?

 

Os níveis de PCR de todas as pessoas voltaram aos níveis de “risco de doença cardíaca”.

 

E tudo se resume na questão do nível de inflamação

Então, o que isso nos diz sobre o papel da boca na criação ou destruição da saúde de todo o corpo?

 

Todos nós sabemos que a doença gengival é uma epidemia global silenciosa e é a causa número 1 da perda de dentes em adultos.

 

Quando as bactérias ligadas à doença gengival estabelecem colônias ao longo e sob a linha gengival, o corpo reage a essa infecção bacteriana da mesma forma que responde a qualquer infecção; aumenta a inflamação para promover uma resposta de cura.

 

Mas o problema não fica restrito à boca

Depois de apenas 9 dias da exposição, as bactérias nocivas podem começar a viajar por todo o corpo através dos minúsculos capilares no tecido gengival.

 

É por isso que falamos tanto sobre as suas gengivas tendem a sangrar ou não quando você escova e / ou usa fio dental suavemente.

 

Se você tem alguma área onde sua gengiva sangra enquanto você usa o fio dental, isso significa que as bactérias nocivas naquela bolsa gengival têm acesso à corrente sanguínea.

 

Elas podem e de fato nadam rio acima e se espalham para o resto do corpo.

 

A área única da linha da gengiva

Quando temos uma infecção, ela dispara os alarmes do nosso corpo, e o sistema imunológico causa uma cascata inflamatória na área.

 

Isso ajuda a isolar a infecção e também aumenta a capacidade do sistema imunológico de fornecer backup com glóbulos brancos e outros defensores do sistema imunológico.

 

Mas, no caso de bactérias nocivas e doenças nas gengivas, o acampamento base do inimigo está localizado “fora” do alcance do sistema imunológico. 

 

Bactérias nocivas colonizam as bolsas gengivais, aquele pequeno espaço entre as raízes de nossos dentes e o tecido gengival que envolve cada dente.

 

Em microbiologia, a bolsa gengival é uma fronteira entre dois mundos.

 

Assim, as bactérias do mal obtêm acesso a todo o corpo através de capilares no tecido gengival que se conectam à corrente sanguínea.

 

Então, dado que as bactérias estão na corrente sanguínea, o corpo reage à infecção generalizada causando inflamação sistêmica, mas a resposta imune inflamatória não consegue alcançar e abordar a fonte da infecção (que está escondida nas bolsas gengivais).

 

Isso acaba se tornando uma condição inflamatória sistêmica crônica, que constitui uma ótima plataforma para ataques cardíacos, derrames e tantos outros problemas de saúde.

 

Porque o uso do fio dental é fundamental

Quando as bactérias nocivas fixam residência na linha da gengiva, elas tentam estabelecer uma base forte onde podem continuar a aumentar seu número para colonizar mais áreas da boca.

 

O uso do fio dental faz um ótimo trabalho em interromper e desorganizar as bactérias do mal e seus esforços de colonização.

 

Mas lembre-se, para realmente fazer a diferença, o uso regular do fio dental é crucial. Se você usar fio dental apenas ocasionalmente, só interromperá temporariamente o ataque da bactéria bandida ao corpo.

 

O uso regular do fio dental torna muito difícil para as bactérias bandidas estabelecerem colônias dentro e ao longo da linha da gengiva.

 

Essenciais para se ter sempre por perto

Para apoiar a saúde oral (e de corpo inteiro), é importante:

 

* Use fio dental regularmente, sempre após as refeições;

 

* Use fio dental conscientemente para notar a presença de áreas que sangram.

 

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fontes: Periodontitis and cardiovascular disease: Floss and reduce a potential risk factor for CVDNews Medical 

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?