Os 10 principais efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais

Victor Hugo Cardoso •

A pílula anticoncepcional oral é um método hormonal de prevenção da gravidez. Os efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais são comuns e variam de pessoa para pessoa.

A pílula anticoncepcional inibe a ovulação e torna o muco cervical espesso, dificultando a passagem dos espermatozoides, evitando, assim, a fecundação. A pílula é uma modalidade de controle da natalidade.

As pílulas anticoncepcionais também podem auxiliar a mulher que apresenta períodos irregulares, dolorosos ou intensos, endometriose, acne e síndrome pré-menstrual (TPM).

Os efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais específicos variam amplamente entre as mulheres. Diferentes pílulas causam diferentes efeitos colaterais.
Alguns efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais comuns 
incluem manchas, náuseas, sensibilidade mamária e dores de cabeça.

Existem dois tipos principais de pílulas anticoncepcionais.
As pílulas combinadas contêm estrogênio e progesterona (em sua forma sintética), enquanto a minipílula contém apenas progesterona.

Este artigo analisa os 10 efeitos colaterais mais comuns dos anticoncepcionais orais. Assim como também seus riscos, efeitos de longo prazo e alternativas.

Efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais

As pílulas anticoncepcionais afetam os níveis hormonais da mulher, levando a vários efeitos colaterais.
Esses efeitos geralmente desaparecem em 2–3 meses, mas podem persistir.

Nos Estados Unidos, cerca de 12,6% das mulheres de 15 a 49 anos tomam pílulas anticoncepcionais orais. São fármacos considerados seguros para uso pela maioria das mulheres.

Se os efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais durarem muito tempo ou forem muito desconfortáveis, o médico deve ser alertado. Às vezes a simples troca por um diferente princípio ativo ou marca pode resolver o problema. Às vezes, no entanto, o médico pode vir a recomendar um diferente método de controle da natalidade.

Seguem a seguir detalhados os 10 mais comuns efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais.

1. Sangramento de escape entre os períodos

O sangramento repentino é quando o sangramento vaginal ocorre entre os ciclos menstruais.
Pode parecer sangramento leve ou uma secreção amarronzada.

O sangramento de escape é o efeito colateral mais comum das pílulas anticoncepcionais. Isso acontece porque o corpo está se adequando às mudanças nos níveis de hormônios e o útero está se adaptando a um revestimento mais fino.

Tomar a pílula conforme prescrito, geralmente à mesma hora diariamente, pode ajudar a prevenir o sangramento entre os períodos.

2. Náusea

Algumas pessoas sentem náuseas leves ao tomar a pílula pela primeira vez, mas isso geralmente diminui. Tomar a pílula com comida ou na hora de dormir pode ajudar.

O controle da natalidade não deve fazer as pessoas se sentirem doentes o tempo todo. Se a náusea for intensa ou durar alguns meses, é melhor conversar com um profissional de saúde.

3. Sensibilidade mamária

A ingestão de pílulas anticoncepcionais frequentemente causa sensibilidade nos seios. Isso ocorre especialmente logo depois da mulher começar a tomá-los.

Usar um sutiã de apoio pode ajudar a reduzir a sensibilidade mamária.

Com o aumento da sensibilidade dos seios, os hormônios da pílula podem fazer os seios aumentarem seu volume.

A mulher deve conversar com seu médico sobre dor intensa na mama ou outras alterações mamárias, especialmente na presença de nódulos ou caroços.

4. Dores de cabeça e enxaqueca

Os hormônios das pílulas anticoncepcionais podem causar ou aumentar a frequência das dores de cabeça e da enxaqueca.

Alterações nos hormônios sexuais femininos (estrogênio e progesterona) podem desencadear a enxaqueca. Os sintomas podem depender da dosagem e do comprimido. Por exemplo, pílulas de baixa dosagem têm menor probabilidade de causar esse sintoma.

Por outro lado, se a enxaqueca da mulher estiver associada à TPM, tomar a pílula pode, na verdade, reduzir seus sintomas.

5. Ganho de peso

As pílulas anticoncepcionais costumam listar o ganho de peso como um possível efeito colateral, embora pesquisas ainda não tenham confirmado isso.

Em teoria, os anticoncepcionais orais podem levar ao aumento da retenção de líquidos. Eles também podem levar ao aumento da gordura ou da massa muscular. No entanto, algumas mulheres podem relatar também a perda de peso ao tomar a pílula.

De acordo com um artigo de 2017, não há pesquisas suficientes para confirmar se os hormônios nas pílulas anticoncepcionais levam ao ganho ou perda de peso.

6. Mudanças de humor

Os hormônios desempenham um papel importante no humor e nas emoções de qualquer mulher. Mudanças nos níveis hormonais, como consequência da ingestão de anticoncepcionais orais, podem afetar o humor da mulher.

Algumas pesquisas, incluindo um estudo de 2016 com 1 milhão de mulheres na Dinamarca, sugere uma ligação entre a contracepção hormonal e a depressão.

Se a mulher estiver preocupada com as mudanças de humor, ela pode falar com seu médico. Se os sintomas estiverem relacionados à ingestão da pílula, a troca do anticoncepcional pode ajudar.

7. Períodos perdidos de menstruação

Tomar anticoncepcionais orais pode causar períodos muito leves ou perda de períodos. Isso ocorre devido aos hormônios que eles contêm.

Dependendo da opção de controle de natalidade, as mulheres podem usar a pílula para pular a menstruação com segurança.

Se a mulher suspeita que possa estar grávida, é aconselhável fazer um teste de gravidez. A pílula anticoncepcional é muito eficaz, mas podem ocorrer gravidezes – especialmente com o uso inadequado.

Muitos fatores podem causar atraso ou perda de menstruação, incluindo:

  • Estresse;
  • Doença;
  • Viagem;
  • Problemas hormonais;
  • Problemas de tireoide.

8. Diminuição da libido

A pílula pode afetar o desejo sexual, ou libido, em algumas mulheres. Isso se deve a mudanças hormonais.

Outras mulheres podem experimentar um aumento da libido, por exemplo, removendo quaisquer preocupações que possam ter tido sobre a gravidez e aliviando quaisquer sintomas de TPM.

9. Corrimento vaginal

Podem ocorrer alterações no corrimento vaginal ao tomar a pílula. Isso pode ter como consequência um aumento ou diminuição na lubrificação vaginal, ou uma mudança na natureza do corrimento.

Se a pílula causa secura vaginal e a mulher deseja ter atividade sexual, o uso de lubrificantes íntimos pode ajudar a tornar a relação mais confortável.

Essas alterações geralmente não são prejudiciais, mas as alterações na cor ou no odor do corrimento podem indicar uma infecção.

10. Mudanças nos olhos

Algumas pesquisas relacionaram as alterações hormonais causadas pela pílula a um espessamento da córnea dos olhos. Isso não sugere um risco maior de doenças oculares, mas significa que as lentes de contato podem não se encaixar mais confortavelmente.

Mulheres que usam lentes de contato podem conversar com seu oftalmologista no caso de perceberem alguma mudança em sua visão ou intolerância com o uso das lentes.

Riscos

A pílula é considerada segura para a maioria das mulheres. No entanto, também existem riscos. Portanto, antes de tomar anticoncepcionais orais, é importante discutir os fatores de risco individuais com seu médico.

Evidências sugerem que tomar pílulas anticoncepcionais pode aumentar o risco de coágulos sanguíneos e pressão alta ou hipertensão. Isso pode levar a um ataque cardíaco ou derrame.

Se um coágulo sanguíneo entrar nos pulmões, pode causar danos graves ou mesmo a morte. Esses efeitos colaterais são gravíssimos, mas raros.

Algumas pesquisas sugerem que o controle da natalidade aumenta o risco de algumas formas de câncer e diminui o risco de outras.

A pílula pode não ser segura para pessoas que:

  • Tenham hipertensão não tratada;
  • Fumem e tenham mais de 35 anos;
  • Tenham um histórico de doença cardíaca;
  • Apresentam enxaqueca com aura;
  • Tenham histórico de câncer de mama ou câncer endometrial.

A mulher deve consultar seu médico se os seguintes sintomas abaixo ocorrerem. Isso porque podem indicar um problema sério de saúde:

  • Dor abdominal severa;
  • Dor no peito, falta de ar ou ambos;
  • Fortes dores de cabeça;
  • Problemas oculares, como visão turva ou perda de visão;
  • Inchaço ou dor nas pernas e coxas.

Efeitos a longo prazo

As pílulas anticoncepcionais são seguras para a maioria das mulheres usar ao longo da vida.

No entanto, seu uso pode aumentar o risco a longo prazo de certos problemas de saúde. A seguir conheça com mais detalhe esses efeitos potenciais.

Problemas cardiovasculares

As pílulas combinadas podem aumentar ligeiramente o risco de problemas cardiovasculares graves, como ataque cardíaco, derrame e coágulos sanguíneos. O risco é maior com certos comprimidos. Um especialista pode aconselhar a mulher sobre as opções adequadas.

Qualquer pessoa que tenha pressão alta não controlada ou histórico pessoal, ou familiar de problemas cardiovasculares deve questionar seu médico sobre métodos alternativos de contracepção.

Câncer

Os hormônios sexuais femininos naturais (estrogênio e progesterona) afetam o risco de alguns cânceres. Da mesma forma, os métodos anticoncepcionais baseados em hormônios podem aumentar ou diminuir o risco de diferentes variedades de câncer.

De acordo com o National Cancer Institute, tomar anticoncepcionais orais pode afetar o risco de certos tipos de câncer de uma das seguintes maneiras:

  • Câncer de mama: O risco de câncer de mama é ligeiramente maior em pessoas que usam pílulas anticoncepcionais hormonais do que em pessoas que nunca as usaram;
  • Câncer de ovário e endometrial: esses cânceres parecem ser menos prováveis de ocorrer em pessoas que tomam a pílula;
  • Câncer cervical: tomar a pílula por mais de 5 anos está relacionado a um risco maior de câncer cervical. No entanto, a maioria cânceres cervicais são causados pelo papilomavírus humano (HPV);
  • Câncer colorretal: tomar a pílula está relacionado a um risco menor de câncer colorretal.

Resumindo

As pílulas anticoncepcionais contêm hormônios que afetam o corpo de várias maneiras. Portanto, os efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais são comuns.

Os efeitos colaterais variam amplamente entre os indivíduos e as diferentes pílulas existentes no mercado. Os efeitos geralmente diminuem dentro de 2–3 meses após o início da ingestão da pílula.

Cada mulher reage de maneira diferente a cada comprimido. Uma pessoa pode precisar experimentar alguns tipos diferentes de pílula antes de encontrar a mais adequada para ela.

Quando uma pessoa interrompe o uso da pílula, seu corpo volta ao estado de antes de tomá-la.

Se os efeitos colaterais forem graves, atrapalharem a vida diária ou durarem mais de 3 meses, é melhor conversar com um profissional de saúde sobre tentar uma diferente composição ou um método alternativo de contracepção.

 

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fontes: Office on Women’s HealthFDAPlanned ParenthoodAmerican Family PhysicianCDCInformedHealthCochrane LibraryNational Cancer Institute

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?