Paciente com xerostomia? Sim ou não, um roteiro de perguntas simples pode resolver

Calcula-se que cerca de metade dos norte-americanos sofra de xerostomia, vulgarmente chamada de boca seca, sem que tenham noção disso. Já vários estudos tentaram descobrir quais os mecanismos que desencadeiam esta condição, mas nem sempre é fácil detectar a doença que ocorre devido à falta de fluxo salivar e que pode ter consequências muito prejudiciais para a saúde bucal.

Para ajudar os dentistas a determinar se um paciente sofre desta condição, sobretudo quando está em dúvida sobre diagnóstico, segue um roteiro com cinco sugestões de perguntas que podem ser feitas aos pacientes nestes casos:

1. O paciente tem consciência de que sofre de boca seca?

Na maioria dos casos, o paciente nem sequer se apercebe de que o seu fluxo salivar diminuiu, sobretudo quando esta diminuição não causa desconforto. Mas o dentista é a pessoal ideal para detectar os primeiros sintomas.

2. Qual é a causa subjacente?

A xerostomia está muitas vezes associada a problemas do aparelho respiratório a nível nasal, a tratamentos de radioterapia e quimioterapia e a medicamentos como antidepressivos ou a hábitos de consumo de cigarro. Saber exatamente qual a causa relacionada à condição do paciente é a melhor forma de oferecer o tratamento correto. Um paciente oncológico que tenha se submetido a tratamentos quimioterápicos terá, muito provavelmente, glândulas salivares ‘não funcionais’, por isso um produto que estimule o fluxo salivar poderá não surtir bom resultado.

3. Qual a severidade?

O paciente sente dor? Desconforto? Os sintomas estão afetando  a sua qualidade de vida? A sua capacidade de se alimentar corretamente? Para determinar o grau de avanço ou de severidade da xerostomia existe uma escala chamada de ‘Challcombe’.

4. Existe comorbidade?

É especialmente importante que se busque identificar se existem outras doenças que possam ser a causa geradora  da xerostomia, como cáries orais recorrentes ou infeções bucais. Em alguns casos é possível resolver ambas com um único tratamento, muitas das vezes é preciso recorrer a tratamentos adicionais para minimizar os sintomas.

5. Qual é o objetivo do paciente?

Para fazer o diagnóstico da doença e, sobretudo, para decidir qual tratamento adotar é importante que se busque descobrir quais são os objetivos do paciente. Se é só aliviar alguns sintomas ou proteger a mucosa oral, existem diversos produtos para a xerostomia que, de alguma forma, ‘simulam’ o papel da saliva, prevenindo infeções mais graves.

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?