Perda dentária: fator de risco para demência

Perda dental: fator de risco para demência

A perda dentária é um fator de risco para o comprometimento cognitivo e a demência. Ou seja, a cada dente perdido, o risco de declínio cognitivo cresce.

É o que informa uma nova análise liderada por pesquisadores da NYU Rory Meyers College of Nursing e publicada no JAMDA: The Journal of Post-Acute and Long-Term Care Medicine.

No entanto, esse risco não foi significativo entre idosos com dentadura, sugerindo que o tratamento oportuno com dentaduras pode ser um elemento de proteção contra o declínio cognitivo.

Conforme o CDC norte-americano, cerca de um em cada seis adultos com 65 anos ou mais perdeu todos os dentes.

Estudos anteriores mostraram uma conexão entre perda dentária e diminuição da função cognitiva.

Os pesquisadores oferecem uma série de possíveis explicações para este elo.

Uma delas é que a perda de dentes pode levar à dificuldade de mastigar, o que pode contribuir para deficiências nutricionais ou levar a alterações no cérebro.

Um corpo crescente de pesquisas também aponta para uma conexão entre a doença gengival – uma das principais causas de perda dentária – e o declínio cognitivo.

Além disso, a perda dentária pode refletir desvantagens socioeconômicas ao longo da vida que também são fatores de risco para o declínio cognitivo.

Saúde bucal ruim e o declínio cognitivo

“Dado o número impressionante de pessoas diagnosticadas com Alzheimer e demência a cada ano, e a oportunidade de melhorar a saúde bucal ao longo da vida, é importante obter uma compreensão mais profunda da conexão entre a saúde bucal ruim e o declínio cognitivo”, disse Bei Wu, PhD, professora de Saúde Global da NYU Rory Meyers College of Nursing e codiretora da Incubadora de Envelhecimento da NYU, bem como o autor sênior do estudo.

A pesquisa

Wu e seus colegas realizaram uma meta-análise usando estudos longitudinais de perda dentária e comprometimento cognitivo. Os 14 estudos incluídos em sua análise envolveram um total de 34.074 adultos e 4.689 casos de pessoas com função cognitiva reduzida.

Os pesquisadores descobriram que adultos com maior perda dentária apresentaram risco 1,48 vezes maior de desenvolver comprometimento cognitivo e 1,28 vezes maior risco de serem diagnosticados com demência, mesmo após o controle de outros fatores.

No entanto, os adultos que perderam os dentes eram mais propensos a ter comprometimento cognitivo se não tivessem dentadura (23,8%) em comparação com aqueles com dentadura (16,9%).

Uma análise posterior revelou que a associação entre perda dentária e comprometimento cognitivo não foi significativa quando os participantes apresentaram dentadura.

Os pesquisadores também realizaram uma análise usando um subconjunto de oito estudos para determinar se havia uma associação “dose-resposta” entre perda dentária e comprometimento cognitivo.

Em outras palavras, a falta de mais dentes se mostrou ligada a um maior risco de declínio cognitivo. Os achados confirmaram essa relação: cada dente perdido adicional estava associado a um aumento de 1,4% no risco de comprometimento cognitivo e 1,1% de aumento do risco de ser diagnosticado com demência.

Relação dose-resposta

“Essa relação ‘dose-resposta’ entre o número de dentes perdidos e o risco de diminuição da função cognitiva fortalece substancialmente as evidências que ligam a perda dentária ao comprometimento cognitivo.

“Também fornece algumas evidências de que a perda dentária pode prever o declínio cognitivo”, disse Xiang Qi, doutorando da NYU Meyers.

“Nossos achados ressaltam a importância de manter uma boa saúde bucal e seu papel em ajudar a preservar a função cognitiva”, disse Wu.

Resumindo

A perda dentária é um fator de risco para comprometimento cognitivo e a demência.

A cada dente perdido, o risco de declínio cognitivo cresce é o que os estudos apontam.

Uma boa saúde bucal, incluindo dentaduras, pode atuar como proteção contra o declínio cognitivo.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fonte: Tooth loss associated with increased cognitive impairment, dementia: Good oral health, including dentures, may protect against cognitive decline

Sugestões de leitura

Morsicatio buccarum

Morder a parte interna da boca: o que causa esse hábito?

Mordeduras na parte interna da boca podem causar lesões na mucosa.  É um comportamento repetitivo e compulsivo.  Pode resultar em sangramento, inflamação e...

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?