Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Periodontite, Alzheimer e derrame: a conexão

    O impacto da periodontite no desenvolvimento de doenças neurológicas, especialmente o aumento dos riscos de derrame (AVC) e doença de Alzheimer, é real.

    A Sociedade Espanhola de Odontologia e Osseointegração e a Sociedade Espanhola de Neurologia divulgaram recentemente um relatório com os dados mais recentes sobre este tema. O relatório revisa, atualiza e apresenta as evidências científicas mais recentes sobre esse tema. Também fornece recomendações práticas que, com base nas evidências, devem ser aplicadas em clínicas odontológicas e centros de neurologia.

    A principal conclusão deste relatório científico é que os pacientes com periodontite têm quase o dobro do risco de desenvolver a doença de Alzheimer e o triplo do risco de acidente vascular cerebral isquêmico.

    Dados do relatório mostram que indivíduos com periodontite têm 2,8 vezes mais risco de AVC isquêmico. As evidências disponíveis sobre AVC hemorrágico, no entanto, são conflitantes.

    Como essa condição dentária afeta o curso da doença cardiovascular?

    Estudos observacionais mostraram que aqueles que tiveram um acidente vascular cerebral isquêmico, com um diagnóstico confirmado de periodontite, estão em maior risco de sofrer um evento vascular recorrente, pior déficit neurológico e depressão pós-ictal do que pacientes sem periodontite.

    Dados do relatório mostram que indivíduos com periodontite têm 2,8 vezes mais risco de AVC isquêmico. As evidências disponíveis sobre AVC hemorrágico, no entanto, são conflitantes.

    Periodontite e demência – retroalimentação

    No que diz respeito à ligação com a doença de Alzheimer, meta-análises de estudos epidemiológicos mostram que a periodontite está associada a um risco 1,7 vezes maior desse tipo de demência e que o risco triplica entre os pacientes com formas mais graves de periodontite.

    Da mesma forma, estudos sugerem que indivíduos com demência ou comprometimento neurocognitivo correm maior risco de sofrer periodontite. Outros estudos indicam que indivíduos com periodontite apresentam resultados piores em vários testes neuropsicológicos de função cognitiva.

    O presente relatório apresenta as evidências de três perspectivas claramente definidas: a associação epidemiológica entre a periodontite e essas doenças neurológicas, os mecanismos biológicos que podem explicar essa ligação e os estudos de intervenção do tratamento odontológico como meio de prevenir o AVC e a doença de Alzheimer.

    Existe uma possível explicação biológica para esses achados epidemiológicos. O relatório conclui que a resposta inflamatória crônica, sistêmica e imunomediada de baixo grau induzida pelas bactérias e suas endotoxinas e os mediadores pró-inflamatórios que circulam pelo sangue contribuem para vários processos biológicos que estão envolvidos em comprometimento neurológico e isquemia cerebral.

    AVC e doença de Alzheimer

    Ana Frank, MD, PhD, uma das autoras deste estudo, é chefe do departamento de neurologia do Hospital Universitário La Paz em Madri e membro do grupo de pesquisa. Ela comenta que o principal mecanismo biológico no AVC e na doença de Alzheimer é a exposição crônica de todo o cérebro (vasculatura, neurônios e astrócitos) aos efeitos nocivos da infecção periodontal.

    Embora de baixa intensidade, essa [exposição] é suficiente para desencadear uma série de eventos que eventualmente levam à lesão endotelial vascular, alterações nos neurônios e astrócitos e danos ao neurópilo“.

    Denominação dada à fina rede de fibrilhas nervosas existentes na substância cinzenta nervosa. As fibrilhas sensitivas emitem o influxo nervoso recebido pelas fibrilhas motoras por sinapses estabelecidas entre aquelas fibrilhas.

    Mais estudos epidemiológicos são necessários para se obter uma melhor compreensão da magnitude do problema.

    Tratamento periodontal como meio de prevenção ao Alzheimer

    Existem indícios de que o tratamento periodontal pode fornecer um meio de prevenir derrame e demência.

    Numerosos estudos populacionais observaram várias intervenções de saúde bucal. Por exemplo, profilaxia dentária periódica ou tratamento periodontal e visitas regulares ao dentista para reduzir o risco de desenvolver demência e derrame.

    No entanto, ainda não existem ensaios clínicos randomizados projetados para investigar se o tratamento periodontal pode ser uma medida preventiva primária ou secundária contra essas condições neurológicas.

    Vários grupos de pesquisa nos Estados Unidos e na Europa que estão realizando ensaios clínicos nessa área. Eles buscam avaliar o impacto do tratamento periodontal em eventos vasculares recorrentes em pacientes com doença cerebrovascular.

    Por outro lado, existem vários estudos intervencionais em andamento que estão avaliando o efeito potencial do tratamento periodontal na função cognitiva em pacientes com demência.

    Rumo à Prática Clínica

    O relatório tem um foco prático. A intenção é que essas evidências se traduzam em recomendações para dentistas na implementação na prática clínica. Isso vale especialmente para pacientes idosos ou com fatores de risco para AVC.

    Os dentistas precisam saber abordar os pacientes que já sofreram um AVC.

    A maioria dos quais com fatores de risco vasculares como diabetes e hipertensão.

    Muitos desses pacientes consomem vários medicamentos, incluindo anticoagulantes que podem interferir negativamente em vários procedimentos odontológicos. Nesses casos, é importante manter contato direto com um neurologista, pois esses pacientes devem ser tratados de forma multidisciplinar.

    Por outro lado, cada paciente que chega ao consultório odontológico, com diagnóstico de periodontite, pode ser rastreado para identificar potenciais fatores de risco vascular, embora o diagnóstico definitivo precise ser feito por um médico especialista.

    Por fim, os dentistas devem entender os potenciais benefícios positivos sobre a inflamação vascular sistêmica que o tratamento periodontal pode proporcionar, incluindo, por exemplo, controle metabólico e redução da pressão arterial.

    Para pacientes com comprometimento cognitivo, os autores do relatório recomendam seguir os seguintes passos durante as consultas odontológicas:

    • Informar o paciente e seu cuidador sobre a importância de uma boa higiene bucal;
    • Monitorar qualquer sinal de infecção ou doença dentária;
    • Abordar a dor em todos os pacientes com comprometimento cognitivo e problemas dentários, especialmente aqueles com agitação;
    • Evitar ao máximo a sedação e usar a menor dose efetiva quando necessário.

    Prescrever Higiene Bucal

    Tendo em vista a ligação entre essas doenças e a periodontite, o pesquisador afirmou:

    Independentemente da idade de nossos pacientes, acredito que seja importante enfatizar a importância de praticar uma boa higiene bucal e dentária. É uma boa estratégia de colocar isso por escrito. Importante enfatizar as recomendações usuais sobre hábitos de vida saudáveis ​​e monitoramento de doenças como hipertensão, diabetes ou dislipidemia. E evitar fatores como tabagismo, sedentarismo, alcoolismo e outras drogas.”

    Todos são fatores de risco vascular e, portanto, fatores de risco para acidente vascular cerebral e demência“.

    De acordo com Frank, o público desconhece a relação entre periodontite e doenças neurológicas incidentes.

    Ainda temos um longo caminho a percorrer antes de podermos dizer que as pessoas estão cientes desse possível vínculo. E não apenas o público também. Acredito que devemos enfatizar entre nossos colegas e entre os profissionais de saúde em geral a importância de promover a saúde bucal para melhorar a saúde geral das pessoas.”

    A este respeito, o coordenador da pesquisa enfatizou a intenção dos autores de disponibilizar este relatório não apenas para profissionais de saúde bucal e neurológica, mas também para médicos e enfermeiros de cuidados primários, para que pacientes com doença cerebrovascular ou doença de Alzheimer e seus cuidadores possam desenvolver uma maior conscientização e assim adotar medidas preventivas.

    Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis. Software, e no Twitter @Dentalisnet

    Fontes: El nexo entre la periodontitis y el riesgo de ictus y Alzheimer confirma la necesidad de acciones conjuntas entre odontólogos y neurólogos, Infopédia

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Síndrome da Boca Ardente: nova esperança para o alívio

      Você sente uma sensação crônica de queimação na boca sem causa aparente? Nesse caso, você pode ser uma das muitas pessoas que sofrem...

      A Influência do DNA na Saúde Bucal

      Conheça o papel da genética sobre a saúde bucal. Será que apenas a genética pode garantir uma boa saúde dos dentes e gengivas?...

      Tártaro: o vilão silencioso da sua saúde bucal

      Dentes limpos não significam necessariamente dentes saudáveis. O tártaro, também conhecido como placa bacteriana, é uma camada pegajosa que se acumula nos dentes...

      Quando levar seu bebê no dentista pela primeira vez?

      A chegada do primeiro dentinho do bebê é um marco emocionante. Mas você sabia que esse momento também marca o início de uma...

      A Raiz do Mau Hálito: A Ciência Revela

      Ciência revela a origem do mau hálito e sua associação com as bactérias da flora bucal. Saiba como prevenir e tratar o mau...

      Arma Promissora Contra o Câncer de Boca

      A hesperidina, um composto natural, pode ser uma alternativa promissora para o tratamento do câncer de boca, com efeitos colaterais mínimos.