Por que a zircônia é um dos melhores materiais para restaurações dentárias?

Victor Hugo •

Durante as últimas décadas, fabricantes de suprimentos odontológicos de todo o mundo introduziram diferentes variedades de matérias-primas odontológicas.

Alguns se saíram bem no início, mas eventualmente desapareceram, alguns nunca viram a luz do dia e alguns dispararam, como a zircônia.

Hoje, considerando todas as coisas, a zircônia é considerada um dos melhores materiais para restaurações dentárias.

Zircônia: forte crescimento nos últimos 35 anos
Nos EUA observa-se um forte crescimento nos últimos 35 anos no uso de produtos de zircônia em restaurações dentárias.

Em uma década, seu uso aumentou cerca de 400 vezes em muitas clínicas e consultórios odontológicos. Atualmente a zircônia representa cerca de 40% dos materiais utilizados em restauração dentária naquele país.

Popularidade crescente
Nos últimos 20 anos, a zircônia está entre as matérias-primas mais populares não só em próteses dentárias, mas também em dispositivos médicos utilizados em implantes em geral.
Cada vez mais peças de implantes tem utilizado zircônia.
Em comparação com os aços inoxidáveis ​​de grau médico ou titânio, a zircônia tem um desempenho melhor e oferece mais vantagens.

Particularmente para restaurações protéticas dentárias posteriores, o único material que oferece mais benefícios como a biocompatibilidade é o ouro. No entanto, o ouro não é mais acessível para muitos pacientes. Além disso, a zircônia oferece uma aparência mais natural. Portanto, a zircônia é o melhor material para substituição de dentes perdidos.

O que é a zircônia?
A zircônia é um material à base de dióxido de zircônio.
Possui a maior resistência mecânica e resistência à fratura de todos os materiais não metálicos.

Ela e ótima por conta da sua resistência.  A outra razão principal pela qual é amplamente preferida em dispositivos médicos se deve à sua suavidade de superfície (lisa).

Além de próteses médicas, a zircônia tem sido amplamente utilizada na indústria e nos mercados de produtos como relógios, facas, joias, válvulas, engrenagens e bombas, para citar alguns.

A zircônia na odontologia atualmente
A zircônia se tornou popular quando o 
CAD / CAM foi introduzido no processo de laboratório odontológico nos anos 2000. Até 2009, quando os preços do ouro dispararam, a zircônia tinha apenas uma pequena fatia do mercado odontológico. Então, como uma alternativa às caras coroas de ouro, a zircônia se tornou uma escolha mais popular entre os dentistas para restaurações.

Se a zircônia é o melhor material, por que não era muito usada antes? É simples.
O investimento necessário em sistemas CAD / CAM avançados de alta tecnologia, computadorizados, custava muito caro.
Além disso, a maioria dos pequenos laboratórios não dispunha de habilidade ou conhecimento para usar a nova tecnologia.

Opções de zircônia disponíveis
A maior parte da zircônia no mercado hoje apresenta uma composição muito semelhante. No entanto, o processo de fabricação difere ligeiramente dependendo da finalidade da zircônia.
Por exemplo:

✔ Zircônia sólida ou monolítica com espaços totalmente comprimidos para obter a resistência máxima (1.100 a 1.200 MPa);

✔ Zircônia levemente comprimida para acomodar translucidez média de restaurações anteriores (700 a 850 MPa);

✔Estrutura de zircônia completa empilhada com pó de zircônia (zircônia em camadas) para acomodar estética máxima para translucidez anterior.

Existem diferentes variedades de zircônia para odontologia hoje, e isso é confuso devido às muitas marcas.

Independentemente de como eles a chamem, a maioria das zircônias compartilha uma composição semelhante. Porém, difere de acordo com o processo de fabricação, que afeta duas características principais: a resistência e a translucidez (ou opacidade).

Por exemplo, a opacidade do branco de zircônia é diretamente proporcional à resistência.
Em outras palavras, os espaços em branco de zircônia mais fortes são os mais opacos que serão.

Portanto, se você precisar da maior translucidez (o espaço em branco menos opaco) para suas restaurações anteriores, a resistência ficará significativamente comprometida.
Ainda assim, pode ser mais forte do que outras matérias-primas odontológicas não metálicas.

A zircônia apresenta três características que a colocam entre as melhores matérias-primas para restaurações: longevidade, biocompatibilidade e estética.

Longevidade
A zircônia é conhecida como o material cerâmico mais forte.
É 10 vezes mais forte que o esmalte de nossos dentes naturais.

Portanto, pode durar muito tempo se restaurado corretamente.
É quase resistente a fraturas.

Dissemos “quase” porque a resistência à flexão não é tão boa quanto a do metal. É por isso que se recomenda folheados cosméticos ou coroas mais finas do que talvez 0,8 mm.
Na verdade, também é verdade para as coroas.
Alguns dentistas entendem mal e acreditam que a preparação para a zircônia monolítica é como uma coroa de ouro total. Não, e isso devido à resistência à flexão.

O recomendável é se fazer uma redução de 1,0 mm no mínimo, ou mesmo uma coroa monolítica de zircônia de uma unidade, para longevidade máxima.

Qualquer coisa abaixo disso terá o risco de fratura.

Biocompatibilidade
A maioria dos materiais odontológicos pode conter algum nível de toxicidade ou propensão alérgica. Como o zircônio apresenta excelente resistência à corrosão, é a matéria-prima odontológica mais biocompatível depois do ouro.

Devido a suas propriedades não corrosivas superiores, muitas peças críticas, como bombas, válvulas e tubulações, são feitas de zircônia. Portanto, as coroas dentárias de zircônia são as mais biocompatíveis com a nossa boca. No entanto, a zircônia pode não estar totalmente isenta do risco de reações alérgicas.
Aconselha-se verificar o histórico de alergias do paciente antes da tomada de uma decisão.

Estética
A zircônia é estética, mas não a mais estética de todas.
Os materiais totalmente em porcelana, como dissilicato de lítio, geralmente são mais estéticos do que a zircônia.
O termo “mais” ‘por conta da propriedade de opacidade do próprio dióxido de zircônio. A zircônia é tão forte quanto o metal. 
Comparado a qualquer material contendo metal, é o melhor material e o mais estético entre as matérias-primas mais fortes.

Para obter o máximo de estética sem comprometer a resistência da estrutura, a zircônia em camadas é a melhor escolha. A estrutura é a zircônia mais forte, suportando a resistência necessária para as pontes. Em camadas de porcelana, fornece a estética do esmalte de que você precisa em uma coroa anterior. Observe que a estética será significativamente diferente de acordo com as habilidades do profissional e a capacidade de aplicar camadas em pó de porcelana.

Limitações
Em primeiro lugar, como discutido acima, a translucidez é a maior desvantagem da zircônia. Não há mágica nisso. O próprio dióxido de zircônio é opaco e nada pode mudar isso.
Mas se pode fornecer uma aparência um pouco mais translúcida com o comprometimento da resistência.
Ainda assim, se você espera que a zircônia sólida seja translúcida o suficiente para o esmalte anterior, ficará desapontado.

A segunda é a aplicação de gravura. Como a superfície da zircônia é super lisa e mais forte do que o metal, não é fácil gravar uma coroa de zircônia sólida. Na verdade, você pode ter que se preparar de maneira diferente para fornecer retenção máxima. Existem alguns métodos disponíveis para condicionar a zircônia. Mesmo assim, não terá o mesmo resultado de corrosão que o jato de areia de uma coroa de ouro.

Zircônia: a melhor entre os melhores
Existem três razões pelas quais a zircônia é o melhor material para restaurações dentárias, principalmente com base na comparação de produtos contendo metal, como porcelana fundida com metal, uma coroa totalmente metálica e titânio.

Em comparação, a zircônia é muito mais estética, dura mais e é ainda mais biocompatível. No entanto, também existem algumas desvantagens.

Dependendo das condições de saúde bucal, você deve decidir o que é melhor para seus pacientes. Alguns dentistas que podem acabar optando apenas por zircônia para cada paciente, pensando que nada pode dar errado com este material.

Até certo ponto sim, mas outras condições podem exigir outros materiais também excelentes, incluindo coroas de ouro total e dissilicato de lítio.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware, no Facebook @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fontes: Dentistry TodayDental Economics

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?