Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

    Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

    Remédios potencialmente inadequados para idosos

    Especialistas em geriatria sabem que determinados medicamentos podem trazer riscos para os adultos mais velhos, riscos que superam os benefícios desses medicamentos, especialmente quando alternativas mais seguras estão disponíveis.

    Os medicamentos que podem ser potencialmente inapropriados para pessoas na terceira idade estão incluídos em listas especiais de recomendação publicadas em alguns países.

    Nos EUA, a Sociedade Americana de Geriatria publica uma lista conhecida como STOPP-START. No Brasil, o ISMP (Instituto para Práticas Seguras no uso de Medicamentos) publica uma lista de medicamentos potencialmente inadequados para idosos.

    Contudo, apesar destas recomendações, 25% dos idosos tomam pelo menos uma medicação potencialmente inapropriada a cada ano. Tomar esses medicamentos pode aumentar o risco de hospitalização devido a um problema relacionado não à condição que se deseja tratar, mas à própria medicação.

    E, embora 70% dos idosos estejam dispostos a parar de tomar esses medicamentos potencialmente inapropriados, os médicos continuam prescrevendo essas drogas.

    Esta foi a realidade encontrada por pesquisadores do Instituto Universitário de Geriatria de Montreal (Canadá), que fizeram uma pesquisa para analisar o nível de conscientização dos idosos sobre os riscos para a saúde relacionados aos medicamentos.

    Descobertas dos pesquisadores

    • 88% dos entrevistados receberam uma receita com pelo menos uma medicação nos últimos 12 meses.
    • 42% dos entrevistados usaram medicamentos considerados potencialmente inapropriados para idosos, incluindo:
    • Sedativos e hipnóticos, como calmantes e pílulas para dormir.
    • Glibenclamida – um tipo de medicamento prescrito para pessoas com diabetes.
    • Inibidores da bomba de prótons – medicamentos prescritos para refluxo ácido e várias outras condições, e associados, entre outras questões, com maior risco de demência.
    • 65% dos entrevistados sabiam que algumas prescrições poderiam ser potencialmente prejudiciais a eles.
    • 42% dos entrevistados discutiram a interrupção de um ou mais medicamentos com seus médicos.
    • Pacientes mais conscientes dos riscos da medicação eram mais propensos a conversar com os profissionais de saúde sobre a interrupção das receitas.
    • Apenas 7% dos entrevistados sabiam o que significava o termo “de-prescrição”. De-prescrever é o termo médico para o médico retirar a receita de um medicamento para melhorar a saúde do paciente ou reduzir o risco de efeitos colaterais adversos.
    • Cerca de metade dos entrevistados pesquisam informações sobre medicamentos por conta própria.

    Os pesquisadores sugeriram que, quanto mais informações as pessoas têm sobre os potenciais riscos associados aos seus medicamentos, mais provável é que elas possam discutir a redução do uso de medicamentos potencialmente inapropriados com seus médicos.

    Os resultados, obtidos por Justin P. Turner e Cara Tannenbaum, foram publicados no Journal of the American Geriatrics Society.

    É importante que o dentista conheça os medicamentos que seus pacientes fazem uso, especialmente daqueles com idade avançada, o que certamente poderá ajudar na identificação e prevenção de futuros problemas, sejam eles odontológicos ou não.

    Deixe seus dados para receber mais conteúdo no futuro

      Você toparia ter uma teleconsulta com um dentista para um atendimento inicial? SimNão

      Sugestões de leitura

      Diabetes e doença gengival – a conexão

      Estudos recentes reforçam a constatação de que diabetes e doença periodontal, como periodontite, estão diretamente ligados.

      Fio ou fita dental: qual é a melhor para sua higiene dental?

      Fio ou fita dental são essenciais à rotina diária de limpeza dos dentes. Mas afinal, qual devo escolher? Qual é melhor para você?

      Remédios para asma podem em maior ou menor grau trazerem problemas à sua saúde bucal. Saiba o que fazer e como evitar que isso aconteça.

      Remédios para asma podem fazer mal à saúde bucal?

      Remédios para asma podem em maior ou menor grau trazerem problemas à sua saúde bucal. Saiba o que fazer e como evitar que...

      Aprenda sobre a importância da saúde das gengivas e conheça dicas essenciais para mantê-las saudáveis ao longo da vida.

      Saúde das Gengivas: cuidados essenciais

      Aprenda sobre a importância da saúde das gengivas e conheça dicas essenciais para mantê-las saudáveis ao longo da vida.

      Derrame e saúde bucal: conheça a ligação

      Derrame e saúde bucal estão diretamente relacionados, é o que nos revela um estudo científico recente. Cuidar da saúde bucal é imprescindível.

      Hipersensibilidade dental

      Hipersensibilidade dental: como prevenir e aliviar

      Conheça dicas práticas do que você pode fazer para prevenir e aliviar a desagradável hipersensibilidade dental