Saiba qual é a solução mais eficaz na desinfecção das escovas dentais

As escovas de dente estão propensas à contaminação por microrganismos provenientes não só da cavidade oral, mas também do entorno em que são armazenadas. Os pesquisadores indianos já investigaram como diferentes desinfetantes dentais afetam a colonização bacteriana.
 
A fim de investigar o impacto dos desinfetantes como gluconato de clorexidina, hipoclorito de sódio e água na presença de micro-organismos de estreptococos, as escovas de dente de 21 crianças com idade entre 5 a 12 anos foram avaliadas após cinco dias consecutivos de escovação duas vezes por dia.
 
Após o período de cinco dias, as escovas foram incubadas em caldo de carne cozido de Robertson por 4 a 5 horas antes de serem imersas em diferentes desinfetantes em grupos de sete escovas de dente. O Grupo 1 foi imerso em 0,2% de clorexidina, o Grupo 2 em 1% de hipoclorito de sódio, e o Grupo 3, apenas água. Depois de 24 horas, todas as escovas foram colocadas no caldo de carne cozido de Robertson e, em seguida, postas para cultura.
 
A análise final mostrou que o tratamento com clorexidina resultou em 100 por cento de redução das colônias de estreptococos, enquanto hipoclorito de sódio reduziu os microrganismos em 71 por cento. Em contraste, as escovas que foram imersas em água só mostraram uma redução de 14 por cento nas colônias de estreptococos.
 
Os resultados indicam que tanto a clorexidina quanto o hipoclorito de sódio são eficazes agentes de desinfecção. Segundo os pesquisadores, o aumento significativo na contaminação das escovas dentais no Grupo 3 sugere que lavar a escova na água e secagem ao ar pode levar a contaminação da escova.
 
Em função dos resultados, os pesquisadores concluíram que é essencial para cada indivíduo desinfetar o sua escova de dente em intervalos regulares, portanto, prevenindo reinfecção e ajudando a manter uma boa higiene oral e o bem-estar geral. Uma vez que a presente abordagem não considera todas as variedades de micro-organismos presentes na cavidade bucal, pesquisas futuras devem se concentrar na sobrevivência de outros microrganismos, como outras bactérias, fungos e vírus, os cientistas salientaram. Além disso, eles observaram que outras soluções antimicrobianas, como, por exemplo, os produtos da planta do nim ou sal, podem ser alternativas econômicas, não tóxicas e fáceis de usar que valem à pena devido as suas propriedades desinfetantes.
 
As escovas de dente contaminadas estão associadas a vários problemas de saúde bucal, incluindo cárie dental, gengivite e estomatite. As organizações de saúde, tais como a America Dental Association, recomendam trocar as escovas a cada dois a três meses.
 
O estudo, intitulado “Escovas de dente contaminadas – ameaça potencial à saúde bucal e geral”, foi publicado on-line em 23 de julho no Journal of Family Medicine and Primary Care.

Sugestões de leitura

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Diabetes pode enfraquecer os dentes e favorecer a cárie dentária

Diabetes, enfraquecimento dos dentes e cáries Pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 são propensas a cáries dentárias, e um novo estudo...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?