Vírus Oropouche, já ouviu falar? Pode trazer riscos de epidemia no Brasil

Até então restrito à Amazônia, vírus já circula por outras regiões brasileiras e pode se tornar problema de saúde pública

O arbovírus Oropouche, transmitido pelo mosquito Culicoides paraensis , tem se distribuído amplamente pelos países das Américas do Sul e Central, alcançando as cidades brasileiras. Adaptado ao meio urbano, o vírus representa risco de epidemia no Brasil e pode causar, entre os sintomas, febre aguda e, eventualmente, meningite e inflamação do encéfalo.

O alerta foi feito por Luiz Tadeu Moraes Figueiredo, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), durante palestra sobre vírus emergentes na 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Segundo o professor, já foram detectados mais de 500 mil casos de febre oropouche no Brasil, na última década. A previsão é que o número suba, uma vez que o mosquito, antes restrito à Amazônia, já alcança outras regiões do país, como é o caso de um paciente recentemente diagnosticado em Ilhéus (BA).

Potencial de emergência

O pesquisador Luiz Tadeu ainda aponta a possível relação do vírus com a dengue e a imunodepressão. Em 2002, 128 pessoas foram diagnosticadas com a febre oropouche, em Manaus. Deste total, três pacientes desenvolveram infecções no sistema nervoso central. Um deles apresentava quadro de infecção pela larva Taenia solium e outro, Aids. Tadeu ainda afirma que todos os 128 infectados tinham diagnóstico de dengue, podendo o vírus ser a causa da doença transmitida pelo Aedes aegypti. “O oropouche tem grande potencial de emergência, porque o Culicoides paraensis está em todo o continente americano”, alerta.

Sugestões de leitura

Morsicatio buccarum

Morder a parte interna da boca: o que causa esse hábito?

Mordeduras na parte interna da boca podem causar lesões na mucosa.  É um comportamento repetitivo e compulsivo.  Pode resultar em sangramento, inflamação e...

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?