Medicamento para osteoporose pode provocar necrose nos maxilares

Os medicamentos contra a reabsorção óssea ou antiangiogênicos, frequentemente utilizados na área de oncologia em pacientes com mielomas múltiplos e metástases ósseas osteolítica para aliviar as dores associadas à doença, podem provocar necrose nos maxilares. Quem afirma isso é Abel Silveira Cardoso, um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Estomatologia e Patologia Oral, em entrevista recente ao G1 quando afirmou que a osteonecrose nos maxilares pode ser induzida por alguns fármacos.

Bifosfonatos

“A classe dos medicamentos bifosfonatos ligam-se ao osso e levam entre dez a 12 anos para serem eliminados, o que prolonga os seus efeitos – tanto os benéficos quanto os indesejáveis. Na batalha contra o câncer, os médicos sempre consideraram que os efeitos colaterais valem a pena frente aos benefícios para o paciente. No entanto, os problemas ganharam outra dimensão quando os bifosfonatos, agora administrados por via oral, foram incorporados no combate à osteoporose. Embora a incidência da osteonecrose seja relativamente menor em pacientes com osteoporose do que naqueles com câncer, há muito mais gente – mulheres, na sua maioria – fazendo uso desse tipo de medicação. Por isso os consultórios ontológicos vem observando um aumento do número de casos de osteonecrose nos maxilares, associada ao uso desse medicamento.

Uso responsável

“O medicamento em si não é ruim. Em tumores malignos com lesões ósseas diminui a dor e evita fraturas. A questão é como vem sendo utilizado”, alerta o dentista. O uso de bifosfonatos na osteopenia talvez não seja bem indicado, o que pode aumentar exponencialmente o número de pessoas expostas aos efeitos indesejáveis”, acrescenta.
Um dos principais fármacos representante da classe dos bifosfonatos é o conhecido Alendronato sódico.

Prevenção: sempre o melhor remédio

“Em pacientes oncológicos, onde o risco de osteonecrose é maior, a melhor conduta é a prevenção. Sempre que possível, antes de iniciar o tratamento quimioterápico, é importante procurar o dentista para um exame prévio e para promover uma adequação da cavidade oral, eliminando problemas que poderiam necessitar extrações dentárias ou procedimentos cirúrgicos invasivos durante a quimioterapia. A comunicação entre os profissionais de saúde é fundamental”, aconselha ainda Abel Silveira Cardoso.

Sugestões de leitura

Morsicatio buccarum

Morder a parte interna da boca: o que causa esse hábito?

Mordeduras na parte interna da boca podem causar lesões na mucosa.  É um comportamento repetitivo e compulsivo.  Pode resultar em sangramento, inflamação e...

Aparelho de cerâmica

Aparelhos de cerâmica: Prós e Contras

Os aparelhos cerâmicos realinham, ajustam e endireitam os dentes da mesma forma que os aparelhos metálicos tradicionais.  No entanto, os aparelhos cerâmicos têm...

Patógeno da periodontite e a conexão com a doença de Alzheimer

Um estudo investigando o papel do Treponema denticola (T. denticola) na patogênese da doença de Alzheimer foi apresentado por Zhiqun Tang do Hospital...

Esclerose múltipla e extrações dentárias

A esclerose múltipla costuma causar fadiga extrema e dificuldades físicas que podem tornar desafiador ao paciente cuidar de sua saúde bucal. Como resultado,...

Mais eficientes na redução da placa e da inflamação gengival

Novo estudo com pacientes com periodontite revela que escovas interdentais e palhetas interdentais de borracha são mais eficientes na redução da placa e...

Crianças com aftas, o que fazer?

As aftas geralmente são úlceras rasas, brancas, cinzas ou amareladas com borda vermelha que podem durar até duas semanas. Algumas pessoas as confundem...

Que tal você se juntar aos nossos clientes e se tornar um case de sucesso também?